Rebobinando o VHS – “Exterminador”, de James Glickenhaus

    0

    Link para os textos do especial “Rebobinando o VHS”:

    http://www.devotudoaocinema.com.br/p/rebobinando-o-vhs.html

    Todo mundo comentando sobre o Justiceiro na série do
    Demolidor na Netflix, mas, sinceramente, esse vigilante marrento é personagem
    da Disney perto do anti-herói John Eastland, vivido por Robert Ginty nessa fita
    esquecida do início da década de oitenta. Nunca foi lançada por aqui em DVD e
    provavelmente nunca será. O terrível politicamente correto impede que seja
    exibido na televisão aberta, na minha época era figura carimbada no vespertino “Cinema
    em Casa” do SBT. Aluguei muito na fase de ouro do VHS.

    10531091 652687418141457 1386190494 n - Rebobinando o VHS - "Exterminador", de James Glickenhaus

    Exterminador (The Exterminator – 1980)

    Veteranos de Guerra do Vietnã, John e Michael agora
    trabalham como estivadores num depósito que fica no bairro pobre do Bronx.
    Certo dia, Michael flagra uns folgados saqueando cerveja de um dos depósitos
    onde trabalha e dá uma lição neles. Poucas horas depois, ele é brutalmente
    atacado pelos mesmos marginais, sendo apunhalado e surrado. Acaba no hospital,
    paralítico. John sai então às ruas para limpar a cidade dos bandidos.

    A única cena do filme que eu lembrava, antes de rever pra
    esse texto, aquela decapitação que ocorre logo no início, mérito do supervisor
    de efeitos especiais Stan Winston, continua um gore muito eficiente, dando o
    tom do filme. O protagonista serviu de inspiração para Kurt Russell compor o Snake
    Plissken do cultuado “Fuga de Nova York”, de John Carpenter. Produzido pela
    Avco Embassy, especialista em filmes de baixo orçamento, lançou muita bobagem,
    mas também distribuiu pérolas como “A Primeira Noite de Um Homem”, “Primavera
    Para Hitler”, “Scanners”, “Grito de Horror” e o já citado “Fuga de Nova York”.
    É exatamente o tipo de abordagem, nada polida e estupidamente violenta, que faz
    falta nos anti-heróis do cinema mainstream atual, idealizados para
    adolescentes. O roteirista/diretor James Glickenhaus é responsável pelos
    medianos “Dupla Fatal”, “Um Tira Implacável” e pelo bom “O Ultimato”, não é tão
    incompetente quanto “O Exterminador” faz parecer. Os excelentes primeiros dez
    minutos, que parecem enxertos de um projeto melhor, ambientados na guerra do
    Vietnã, são filmados na mesma locação onde o ator Vic Morrow sofreria o
    acidente fatal horroroso com um helicóptero, em um dos contos de “Além da
    Imaginação – O Filme”.

    A sequência da tortura do bandido preso em cima de um
    triturador de carne é a prova cabal da sutileza da obra. Mas nada seria mais sutil
    que o vigilante adentrando brutalmente numa festinha dos marginais, ao som de
    Disco Inferno (burn, baby burn), com seu lança-chamas. Infelizmente, como ele
    havia sido usado na cena anterior, em um interrogatório amistoso, o bochechudo
    anti-herói decide usar uma metralhadora gigantesca. E, pra não chamar muita atenção,
    ele carrega a arma até a porta devidamente ensacada, afinal, os vizinhos podem
    pensar que ele toca violoncelo, né? Nas paredes dos marginais, além das óbvias
    pichações sem sentido de toda gangue criminosa dos anos oitenta, fotos de Che Guevara
    e Bruce Lee. Realizado dois anos depois de “O Franco-Atirador”, com aquela
    trama densa sobre os traumas psicológicos dos veteranos da guerra, Glickenhaus
    insinua timidamente abordar o tema, mas acaba se deixando levar pela ideologia
    reacionária dos filhos de “Desejo de Matar”, onde os veteranos punem os jovens
    drogados das ruas seguindo a crença de que eles não merecem desfrutar da
    liberdade conquistada pelo esforço deles nos campos de batalha.

    Vale ressaltar que foi produzida uma sequência: “Exterminador
    2”, dirigida por Mark Buntzman, produtor do original, com Ginty reprisando o
    personagem, que utiliza com mais frequência o lança-chamas, praticamente se
    transformando em um herói de quadrinhos. Com a mão podre do picareta estúdio
    Cannon, o resultado conseguiu ser tão ruim que faz o original parecer uma
    obra-prima. Eu gostava mais da capa do VHS, com o protagonista desenhado num
    traço idêntico ao das cartelas dos bonecos “Comandos em Ação”.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here