“Capitão América: Guerra Civil”, de Anthony e Joe Russo

    0

    Capitão América: Guerra Civil (Captain America: Civil War –
    2016)

    Uma cena que define um dos grandes problemas do filme e
    desse formato adotado pela Marvel, que a DC/Warner está tentando emular com
    atraso: o protagonista acaba de enterrar a mulher que mais amou na vida, ainda
    que ao analisar a tristeza no rosto de Chris Evans, exercitando a sua única
    variação de expressão, pareça a tristeza de um menino que viu quebrar seu
    videogame. Na missa, o seu colega percebe a presença da sobrinha jovem e bonita
    da falecida, o que o faz divertidamente chamar a atenção do viúvo, como o
    moleque travesso da escola que diz: que gatinha, olha lá. O público da sala
    escura dá uma gargalhada. Nos quadrinhos existe esse relacionamento, mas a
    situação soa tola na linguagem cinematográfica.

    Com exceção das excelentes sequências de ação, demonstrando
    o domínio perfeito da coreografia, com destaque para a intensidade brutal das
    lutas corporais, o filme é uma coleção de equívocos. Todos os adultos inseridos
    no filme agem como pré-adolescentes travessos que esperam a professora virar as
    costas pra atirarem uma bolinha de papel na lousa. O roteiro não permite que
    nenhuma cena dramática finalize sem uma desconstrução bem-humorada. Até mesmo o
    aguardado embate entre os heróis divididos por ideologias, conceito que funciona
    apenas nos quadrinhos. As motivações são estabelecidas de forma apressada, com
    os personagens interrompendo cada ataque com uma piadinha, dando à sequência mais
    importante do filme o tom infantil de uma batalha inofensiva de paintball entre
    colegas da firma. Não há o menor interesse em agregar qualquer senso de
    dramaticidade no conflito. O único elemento que realmente funciona na longa cena
    é o Homem-Aranha vivido por Tom Holland, que com poucos minutos consegue se
    sair melhor do que as últimas duas fracas incursões do herói nas telas. O
    Homem-Formiga de Paul Rudd seria um ótimo alívio cômico, mas que se torna banal,
    repetitivo, em uma trama onde o drama é coadjuvante. Os demais personagens que
    são inseridos, como o Pantera Negra de Chadwick Boseman, com a plena consciência
    dos produtores de que eles terão mais tempo para se desenvolverem em filmes
    futuros, não passam de traços rápidos, rascunhos. Em dois minutos se estabelece
    uma relação de ternura entre pai e filho, dois personagens que nunca haviam
    aparecido, com o roteiro pedindo então que nós choremos a tragédia pessoal de
    alguém que apenas os fãs mais devotados dos quadrinhos conhecem. O engraçado é
    perceber que alguns críticos ressaltam que ele é o personagem mais maduro. Só
    porque ele é o que faz cara de raivoso o tempo inteiro? Qual é o
    desenvolvimento psicológico do personagem? Qual é o arco narrativo dele? Ele é
    movido pela vingança, essa é a única informação que recebemos.

    Outro grande problema é o vilão interpretado por Daniel
    Brühl, um desrespeito com o Zemo dos quadrinhos. Teria sido melhor darem
    qualquer outro nome pra ele. Sem carisma algum, totalmente deslocado, um
    elemento que poderia ter sido extirpado sem dano algum ao fiapo de história
    trabalhado. O grande plano arquitetado por ele é uma grande bobagem, sem
    coerência, sem impacto orgânico. Os diretores Anthony e Joe Russo, após o
    competente “Capitão América 2: O Soldado Invernal”, perderam a mão, não conseguindo
    entregar o mesmo equilíbrio agradável entre o senso de perigo real e a
    necessidade de divertir o público. Sem o investimento emocional daqueles que
    esperavam um mínimo de relevância dramática, a trama se torna arrastada, sem
    ritmo. A alegoria política do anterior dá lugar a um passeio por um parque
    temático facilmente esquecível. Essa fórmula inevitavelmente está fadada ao
    desgaste brutal e a subsequente reavaliação negativa de público e crítica. São
    produções com prazo de validade curto, com roteiros terrivelmente inofensivos,
    que não arriscam por medo de botar tudo a perder. E, o pior, uma boa parte
    deles, como o próprio “Capitão América: Guerra Civil”, não se sustenta
    narrativamente fora do universo que está sendo construído.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here