Rebobinando o VHS – “Trapalhões do Futuro”

    0

    Link para os textos anteriores do especial:

    http://www.devotudoaocinema.com.br/p/rebobinando-o-vhs.html

    O VHS foi lançado pela distribuidora “Video Ban”, que primava por produções medíocres ou irrelevantes, aquele material que deveria ser exibido com um formal pedido de desculpas introdutório. Eu devo ter alugado a fita umas duas vezes, mas foi o bastante para deixar em minha mente essa recordação tão viva, fecho os olhos e a imagem dos gêmeos aparece, tento controlar a ânsia de vômito pensando em coisas mais agradáveis como corretores de imóveis e as instalações da Vila Olímpica.

    slapstick of another kind trapalhoes do futuro raro 22734 MLB20235771277 012015 F - Rebobinando o VHS - "Trapalhões do Futuro"

    Trapalhões do Futuro (Slapstick of Another Kind – 1982)

    Caleb Swain (Jerry Lewis) e a esposa Lutetia (Madeline Kahn)
    são um casal adorado por todos. Mas tudo muda quando Lutetia dá à luz um casal
    de gêmeos horrorosos. Eles são Wilbur e Eliza (também interpretados por Lewis e
    Kahn), e que na verdade são dois alienígenas que foram escolhidos e enviados
    para resolverem os problemas do planeta. Quando eles estão separados, os dois
    ficam fracos e sem inteligência, mas juntos, os dois possuem um grande
    potencial. Infelizmente por interesse de terceiros, eles acabam sendo ameaçados
    de se separarem pra sempre.

    Quando Jerry Lewis declara à imprensa que “The Day The Clown
    Cried” não merece ser visto, fico pensando que nada em sua filmografia pode ser
    pior do que “Slapstick of Another Kind”, de 1982, lançado apenas dois anos
    depois, já que ninguém parecia disposto a correr o risco. É engraçado ver que
    Lewis foi divulgar o lançamento do filme no programa do Johnny Carson, vídeo
    que pode ser encontrado no Youtube, falando dele como se fosse uma obra-prima, rasgando
    elogios para o jovem diretor Steven Paul, alguém que se mostra incapaz de
    conduzir uma única cena com algum traço de personalidade. Não é possível que
    ninguém da equipe tenha percebido o nível tóxico do lixo que estavam produzindo,
    uma obra que não serve como adaptação do bom livro de Kurt Vonnegut, trabalha
    algo em torno de dez por cento do material escrito, e não se sustenta minimamente
    como comédia.

    O perfeccionista protagonista, a talentosa Madeline Kahn, os
    olhos desencontrados de Marty Feldman, a voz poderosa de Orson Welles, o eterno
    “mestre Miyagi” Pat Morita vivendo um “alienígena chinês em miniatura”, até o
    diretor Samuel Fuller faz uma ponta, um grupo de respeito que parece estar
    pagando alguma ingrata aposta. Não é só o mau gosto na trama que me
    impressiona, mas a incrível ineficácia de um roteiro que não consegue fazer rir
    em nenhum momento. O trabalho de maquiagem prostética no rosto dos irmãos
    gêmeos (Kahn e Lewis), sem brincadeira, traumatiza qualquer criança pequena
    que, por crueldade do acaso, acabe passando na frente da televisão em uma
    exibição. É grosseiro, tosco no pior sentido da palavra. O desfecho tenta
    entregar um toque de sentimentalismo, mas com a mesma mão pesada e altamente incompetente,
    resultando em simples, boa e velha, vergonha alheia. Quando os irmãos estão
    entrando na nave espacial, cópia carbono da utilizada em “Contatos Imediatos de
    Terceiro Grau”, na escuridão da noite, o filme consegue a proeza de inserir um
    olhar de despedida dos pais, cena reutilizada e ambientada numa clara manhã
    primaveril. O que me perturba é que nada disso explica o fascínio que sinto por
    essa porcaria. Se lançassem um livro revelando os bastidores das filmagens, eu
    devoraria em uma madrugada. Já joguei fora meia-hora de um dia vendo um making
    of dele no Youtube. É tão ruim, tão doentiamente asqueroso, tão repulsivamente
    tolo, que acaba se tornando agradável. No início da década de noventa tive a
    impressão de que a indústria norte-americana entregaria algo similar com a
    comédia “Cônicos e Cômicos”, alienígenas cabeçudos saídos diretamente dos
    esquetes do SNL, mas infelizmente Dan Aykroyd é um bom roteirista, o filme é
    razoavelmente bom, não chega nem perto do brilhantismo não intencional dessa
    pérola que resgato aqui.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here