“Coração de Cachorro”, de Laurie Anderson

    1

    Coração de Cachorro (Heart of a Dog – 2015)

    Quando a criança estava deitada na cama do hospital, paralisada
    após um acidente numa piscina, uma enfermeira sentava ao seu lado e lia uma
    historinha envolvendo um coelho cinza fujão, um livro infantil. Essa memória é
    terrível, a menina já estava habituada a ler obras mais instigantes, ela já
    conhecia “Crime e Castigo”, de Dostoievski, mas era obrigada a escutar por
    horas aquela bobagem. Ela, inconscientemente, tomava conhecimento naquele
    momento de que os seres humanos são movidos por padrões, buscando reconhecer em
    outrem uma espécie de código de conduta. Aqueles que não correspondem ao padrão
    da linha de produção são automaticamente rejeitados. A enfermeira, como grande
    parte das pessoas, enxergou a criança como um produto padronizado, cujos
    interesses e sistema de comportamento são facilmente codificados em uma imagem
    estereotipada unidimensional. Dessa mesma forma enxergamos tudo o que nos
    cerca, todos os assuntos, dos mais triviais aos mais complexos, especialmente
    aqueles nutridos pelo elemento do desconhecido, como a morte.

    A cineasta Laurie Anderson utiliza a sua relação de amor com
    Lolabelle, sua falecida rat terrier, como pano de fundo para uma reflexão
    profundamente emotiva sobre essa questão. Se nós somos definidos pela
    habilidade da comunicação verbal, como Wittgenstein afirmava, “se você não
    puder falar sobre, não existe”, precisamos compreender a comunicação dos
    animais para que possamos codificar o relacionamento. Quando a cadela ficou
    cega, foi incentivada a tocar nas teclas do piano, produzindo sons que não são
    reconhecidos como melódicos pela forma humana de codificar música, mas por isso
    deixam de ser música? A narração afirma que o que escutamos de fundo é a
    gravação de uma canção natalina da artista canina, um registro especialmente
    emotivo para a mulher, são sons produzidos pelo toque das patinhas de sua
    querida filha do coração, um registro de um ser que não existe mais, apenas em
    sua memória. Se o conceito de beleza musical nasce de sons que codificamos, o
    que impede esse registro de ser tido como música? Não é exatamente o mesmo
    critério que utilizamos com o trabalho dos pintores? A mão do artista pode se
    movimentar livremente pela tela, sem obedecer a qualquer código, o pequeno
    borrão no canto de uma tela vazia, ou a mistura de cores que não forma uma
    figura identificável, o resultado sempre será visto e respeitado como arte. Lolabelle
    também pintava, passando suas patinhas em uma tela.

    O elemento desconhecido supremo, a morte, é trabalhado no
    documentário traçando um paralelo entre um passeio da diretora com sua cadela
    nas montanhas e o impacto da tragédia de 11 de Setembro no psicológico dos
    norte-americanos. Na tentativa de reconhecer e codificar as formas de expressão
    de Lolabelle, para estabelecer real comunicação com ela, Laurie parte com a querida
    companheira em uma experiência nas montanhas. Após algumas horas, a incrível
    beleza do local acaba desviando o foco da dona, que se esquece do plano e decide
    aproveitar aquele tempo brincando com a cadela. A vida é assim, tentamos traçar
    metas existencialistas, perdemos horas preciosas buscando compreender a lógica
    da finitude, chegamos até a abraçar a tristeza de não sermos capazes de
    responder essas questões, mas acabamos encontrando algo divertido no processo
    que desvia nossa atenção, uma piada bem contada, um bom filme, um bom livro, os
    primeiros passos de um filho, a ternura no olhar de um cão.

    O medo da morte
    nasce na cadela ao perceber em seu passeio um perigo que ainda não conhecia: as
    aves que tentavam se aproximar, caçadoras de um terreno inexplorado. A dona
    enxerga uma mudança no olhar do animal, algo que ela havia encontrado nos olhos
    dos seus vizinhos nos dias que se seguiram à queda das torres gêmeas. O medo da
    morte é parte essencial de um processo importante e que não deve ser negado. O
    padrão dos veterinários, assim como o livro escolhido pela enfermeira, ao discursar
    um conteúdo memorizado sobre a possibilidade de acabar com o sofrimento do
    animal com apenas uma injeção, impede que o animal utilize o tempo necessário
    para reconhecer a finitude. O envelhecimento, essa aproximação natural da morte
    após a breve juventude, possibilitou que a diretora enxergasse em suas
    recordações o momento exato em que se sentiu amada por sua mãe, algo que
    parecia ter sido bloqueado em sua mente. Laurie propõe, acima de tudo, um
    convite para que o espectador também analise com carinho a efemeridade da vida,
    para que ele não perca precioso tempo em rituais que satisfaçam outrem, ou
    obedecendo a padrões desgastados. Crie seu próprio ritual, codifique sua
    linguagem única.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    1 COMENTÁRIO

    1. Muito bom, Octavio… texto, inclusive, emocionante! É tão raro quando percebemos questões mais essenciais de nós mesmos diante da vida que, ao ver uma obra que escancare mais essa intuição, ficamos tentados em agir mais depressa para "nos resolvermos". Mas sabemos que a vida é uma equação cheio de incógnitas para se achar o valor, não é mesmo?

      E sendo do ano passado, acho que consigo encontrar esse documentário que tanto me cativou por suas palavras.

      Grande abraço!

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here