Edgar Allan Poe no Cinema

    0

    Dois Olhos Satânicos (Due Occhi Diabolici / Two Evil Eyes –
    1990)

    Pensado originalmente como uma antologia de quatro contos, o
    projeto acabou reduzido às excelentes contribuições de Dario Argento e George
    Romero, mestres no gênero de estilos bem diferentes. Em sua versão de “O Gato Negro”,
    melhor segmento do projeto, Argento utiliza elementos de outros contos de Poe,
    como “Berenice” e “O Poço e o Pêndulo”, demonstrando o seu respeito pela obra
    do autor, com destaque para uma atuação impecável de Harvey Keitel e a intensa
    criatividade cênica usual na carreira do italiano. Romero utiliza “O Estranho
    Caso do Senhor Valdemar” como moldura para trabalhar seu tema favorito, o
    ataque ao capitalismo, sendo ajudado pela competência nos efeitos de Tom Savini,
    elemento que garante o alto nível de uma produção que teve vários problemas de
    orçamento.

    Toby Dammit - Edgar Allan Poe no Cinema

    Histórias Extraordinárias (Histoires Extraordinaires – 1968)

    É muito curioso que dos três contos utilizados no filme,
    aquele que no papel é o menos interessante, “Nunca Aposte Sua Cabeça Com o
    Diabo”, um desabafo literário do autor contra os analistas que procuravam
    lições de moral em suas histórias, acabou sendo o grande destaque, sem dúvida,
    a razão do filme ainda ser lembrado hoje. O mérito é do mestre Federico Fellini,
    auxiliado pela trilha maravilhosa de Nino Rota, que entende a essência corajosa
    do original e faz de “Toby Dammit” uma crítica à cultura da fama emoldurada em
    um perturbador pesadelo metalinguístico. Roger Vadim, que dirige o primeiro
    segmento da antologia, conseguiu retirar o impacto visual estimulado pelas
    palavras de Poe em “Metzengerstein”, reduzindo tudo à sua especialidade: fotografar
    belas mulheres intensamente sexualizadas. Jane Fonda está deslumbrante, mas o
    resultado salienta os aspectos negativos de um cineasta que parece tocar na
    câmera com a destreza de um chimpanzé tocando violino. Já o segundo segmento, “William
    Wilson”, adaptando a boa história do duplo, apresenta um Louis Malle mais
    contido, visivelmente inseguro em um terreno desconhecido, mas ganha pontos pela
    atuação irrepreensível de um paranoico Alain Delon. Ao sermos conduzidos para o
    último segmento, parece que estamos vendo um curta moderno que foi inserido em
    uma produção datada, o impacto é tremendo, do estilo visceral na atuação de
    Terence Stamp, passando pela direção de arte surrealista, até a esperta
    homenagem a Mario Bava na personificação do demônio na forma da menina loira de
    “O Ciclo do Pavor”. Fellini firma seu traço autoral na trama, mostrando que só
    não se tornou um cineasta reconhecido no gênero do terror porque não quis. O
    purgatório do ator britânico vivido por Stamp é o falso paparico dos repórteres
    em sua viagem à Itália para promover um novo projeto, o palco excessivamente
    iluminado que divide espaço com a extrema pobreza, cenário onde todos estão
    sempre maquiados e com sorrisos mecânicos, figuras vazias, caricaturas deprimentes de
    sombras que o cortejam em seu caminho para o inferno.

    TheRaven zpslbifdqzn - Edgar Allan Poe no Cinema

    O Corvo (The Raven – 1963)

    Ao apostar no humor como tom dominante para o filme, Roger
    Corman criou uma pérola que se distancia dos outros projetos do ciclo da AIP,
    utilizando o melancólico poema de Poe como espirituosa desculpa para colocar em
    cena medalhões como Vincent Price, Boris Karloff e, como a própria ave do
    título, Peter Lorre, protagonizando o mais divertido duelo de magos da história
    do cinema. Até mesmo os efeitos visuais trabalhados com o baixo orçamento
    mantém um charme fascinante, algo que nos remete aos livros de fantasia que
    líamos na infância. Vale destacar o hilário relacionamento do personagem de
    Lorre com o filho, vivido por Jack Nicholson, um jovem que o idolatra, mas que
    recebe como resposta apenas grosseria. O roteiro de Richard Matheson explora
    todas as possibilidades cômicas, forçando a mão algumas vezes, mas sempre
    amparado pelo carisma matador de Price. Ainda que muitos críticos avaliem
    negativamente o clima da obra, o despojamento aparente na leveza das cenas é o
    símbolo máximo da competência do diretor, já que o mais difícil é fazer com que
    a superação diária de obstáculos no set de filmagem não transpareça para o
    espectador, encantado com a naturalidade do elenco no que parece ser uma festa entre amigos de longa data.

    the black cat 1981 film images 08828250 e88c 499e 95ce e9fb3487d45 - Edgar Allan Poe no Cinema

    Gato Negro (Gatto Nero – 1981)

    Um projeto despretensioso feito como um favor de Lucio Fulci
    ao produtor Giulio Sbarigi, com fantásticas cenas de gore envolvendo chamas e
    objetos pontiagudos, abusando dos seus característicos planos de detalhe nos
    olhos, mas com um cuidado maior na construção de clima em um cenário bucólico
    inglês, resultando em um verniz mais elegante do que o diretor costumava apresentar
    à época. A trilha de Pino Donaggio ajuda a reforçar o tom sobrenatural e a
    tristeza da sina de um amaldiçoado, preenchendo as lacunas usuais dos roteiros
    de seus filmes. O conto é o mais famoso de Poe, tem um final inesquecível e já
    foi inspiração para vários projetos, como “No Quarto Escuro de Satã”, de Sergio
    Martino, que a Versátil está lançando na caixa “Giallo, Vol. 3”, até Mario Bava
    bebeu dessa fonte em seu “Schock”. Vale comparar a versão de Fulci com a
    comandada por Dario Argento em “Dois Olhos Satânicos”, presente na caixa.

    edgar allan poe 2 - Edgar Allan Poe no Cinema

    * Os filmes estão sendo lançados em DVD pela distribuidora Versátil, com a curadoria sempre impecável de Fernando Brito, no digistack “Edgar Allan Poe no Cinema, Vol. 2”, em parceria exclusiva com a Livraria Cultura.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here