“Uma Noiva em Cada Porto”, clássico mudo de Howard Hawks

0

Uma Noiva em Cada Porto (A Girl in Every Port – 1928)

Com essa comédia tematicamente simplista, o
roteirista/diretor Howard Hawks mostrou que tinha talento para equilibrar classe
na execução com cativante leveza no tom, característica que o faria ser
reconhecido no futuro como o maior símbolo de versatilidade da indústria
norte-americana. Analisando fora do contexto, não é um grande filme, nem pode
ser considerado especialmente relevante dentre os projetos da era do cinema
mudo, mas é o melhor trabalho da primeira fase de Hawks, um roteiro que
insinuava caminhos narrativos que seriam explorados durante toda a sua
carreira.

Na trama estruturada de forma episódica, dois marinheiros,
vividos por Victor McLaglen e Robert Armstrong, lutam pela preferência das
garotas que encontram em todos os portos. Os nomes dados aos dois enfatizam o humor
fálico popularesco: Espeto e Salame. Eles marcam presença até no Rio de Janeiro,
onde, claro, o sobrenome da fogosa dama vivida por Maria Casajuana e o seu endereço
enfatizam nossa língua pátria, pelo menos aos olhos do mundo, o espanhol. Eles chegam a interromper uma típica briga de bar, para investirem juntos contra a força policial do local, uma camaradagem que evidencia a beleza da competitividade amistosa. Na
conclusão, a amizade acaba falando mais alto que a disputa deles pelas garotas,
iniciando o que seria um leitmotiv clássico em sua filmografia, a história de
amor entre dois homens.

O elemento que realmente faz do filme algo a ser lembrado
leva o nome de Louise Brooks. A jovem, que havia largado a dança para se focar
na atuação, era casada com um amigo do diretor. O seu jeito irreverente, seguro
e espevitado acabou caindo como luva em sua Marie, artista circense, sempre
mostrada vestindo um maiô colado na alma, defendido por um dos rostos mais
bonitos de sua época. A cena em que ela provoca o amigo do atual namorado na
frente dele é de uma sensualidade impressionante. Ela aparece numa sequência
que dura cerca de vinte minutos, tempo suficiente para atrair a atenção do
diretor austríaco G.W. Pabst, que imediatamente tirou Marlene Dietrich da
jogada e ofereceu para a garota do corte de cabelo exótico, rebeldia irresistível, o papel principal em “A Caixa de Pandora”, obra-prima
muda que a tornou mundialmente conhecida e desejada.

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here