“A Comunidade”, de Thomas Vinterberg

    0

    A Comunidade (Kollektivet – 2016)

    O cineasta mais competente saído do movimento Dogma 95,
    Thomas Vinterberg, após o irregular “Longe Deste Insensato Mundo”, repete a
    excelência demonstrada em “A Caça” com o profundamente emocionante “A
    Comunidade”, buscando inspiração em suas experiências pessoais de adolescente
    na conturbada década de setenta, época em que seus pais viveram em uma comuna. Ele
    parte de uma ideia simples, um casal de meia-idade, um arquiteto e uma
    apresentadora de telejornal, com uma filha adolescente, herdam uma mansão e
    decidem poupar despesas transformando o local em uma comunidade. Para Anna,
    interpretação brilhante de Tryne Dyrholm, aquela seria uma possibilidade
    interessante de injetar ânimo na relação conjugal que já estava desgastada. Mas
    o elemento do caos é inserido na equação quando o seu marido, vivido por Ulrich
    Thomsen, revela estar apaixonado por uma aluna mais jovem, Helene Reingaard
    Neumann emulando visualmente a Camille, de “O Desprezo”. Ao contrário da
    personagem de Brigitte Bardot no clássico de Godard, que via seu relacionamento
    conjugal desmoronar, essa femme fatale tem papel ativo na desconstrução
    familiar, e, por conseguinte, na constatação de que a utopia do coletivismo
    socialista é frágil. O marido, ao primeiro sinal de discordância do grupo com
    relação à entrada da namorada, perde totalmente o controle emocional e
    reivindica de forma arrogante a sua condição prévia de dono da casa.

    O espírito libertário do período, pouco antes da Guerra do
    Vietnã destruir a inocência do mundo, fala diretamente aos valores que o
    cineasta procurou resgatar, uma camaradagem que sobrevive às desilusões e
    perdas naturais na vida de qualquer um, a capacidade de sorrir quando se decide
    aliviar o fardo dividindo-o com alguém. O desabafo tátil, o poder psicológico do
    toque, expressado simbolicamente na história contada à mesa sobre o experimento
    terrível de um rei, algo cada vez mais desvalorizado em um mundo dominado por
    pessoas escravas das telas de seus smartphones, é um leitmotiv que potencializa
    a emoção em diversos momentos, como quando as mãos da filha acalmam o desespero
    da mãe, ou até mesmo agindo como apelo silencioso na mesa de jantar, a mulher
    ferida também busca alento após a exteriorização da raiva no contato com as
    mãos daquela que foi responsável por seu sofrimento. Ao acordar com o som da
    relação sexual no quarto ao lado, acende um cigarro, visualmente compondo a
    noção de que ela, ainda dependente do outro, busca complementar automaticamente
    a satisfação de um prazer que não usufruiu. Até mesmo na consumação sexual da
    filha ela se torna coadjuvante indireta, com a câmera deslizando da cama ao
    aparelho de televisão, mostrando seu rosto na tela.

    Outro tema importante trabalhado é o conceito elástico de
    família. A absurda desumanidade de um atendente de hospital que se recusa a dar
    informações ao telefone sobre um paciente para quem não é de sua família
    nuclear. E vale ressaltar a beleza da metáfora representada por um menino que
    vive a fase do amor pleno, sendo inserido no microcosmo que representa a cruel
    realidade do mundo adulto. Como a criança de “O Mágico de Oz”, descobrindo em
    tom poético que o caminho de tijolos amarelos precisa desaparecer para que a
    maturidade se imponha, conduzindo a um momento belíssimo ao som de “Goodbye
    Yellow Brick Road”, de Elton John. É impossível revelar mais sobre essa
    sequência sem prejudicar a experiência do espectador, mas garanto que é
    inesquecível.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here