“Cinzas e Diamantes”, de Andrzej Wajda

Cinzas e Diamantes (Popiól i Diament – 1958)
O falecimento do diretor no início do mês me fez rever boa
parte de sua filmografia, inclusive o meu favorito: “Cinzas e Diamantes”,
desfecho de sua trilogia da guerra, ambientado no crepúsculo da Segunda Guerra
Mundial, em um único dia intenso na vida do jovem Macieck, vivido por Zbigniew
Cybulski, que veste jeans e tem a aparência rebelde de um James Dean, mas sua
forma de expressão é uma metralhadora, o seu alvo: um chefe comunista. Na
sequência inicial o vemos com seus comparsas da resistência compartilhando a
tranquilidade ilusória que antecede a tempestade, aguardando em uma capela a
passagem da vítima. A figura de uma menina, a pureza de uma criança que se
aproxima do local, acaba se revelando traiçoeira, uma emboscada. Não há
elemento puro na sociedade. Em frente às imagens religiosas, o batismo de fogo,
morte e frustração, o alvo foge.
Impetuoso, o rapaz luta pra manter viva sua ideologia, mas o
choque de realidade o conduz inexoravelmente à reflexão sobre a incoerência do
radicalismo daqueles que são regidos por palavras de ordem, aqueles que lucram
enquanto posicionam seus peões no tabuleiro. Ao se hospedar no hotel onde está
o seu alvo, para tentar finalizar sua missão, uma despretensiosa passada no bar
do estabelecimento se torna um convite irrecusável para uma segunda chance na
vida. Macieck se encanta com a bela atendente, vivida por Ewa Krzyzewska,
mulher misteriosa que parece viver à espreita de seus próprios sentimentos,
engaiolada na desesperança. Ela resiste bravamente aos galanteios desajeitados
dele, mas a carência emocional fala mais alto e os dois se encontram no quarto
escuro, o rapaz descobre que o desordenado balé dos corpos é mais interessante
que acatar a rigidez nas ordens de seus superiores, o medo de perder aquela
cumplicidade terna passa a dominar sua mente, a possibilidade da morte no
cumprimento do dever deixa de ser algo aceitável, não há causa que seja mais
sincera que o amor.

 

A mensagem que Wajda transmite é essencialmente humanista, a
eficiência na execução é o que me faz rever a obra. As ideologias políticas desvalorizam
as perdas humanas como bucha de canhão, estatísticas necessárias na obtenção do
resultado desejado, mas aquele que perde a empatia, aquele que não se comove
com a morte de um simples indivíduo, aquele que não entende o peso existencial
de se apertar o gatilho, não está preparado para a guerra. Nas cinzas da
destruição, os diamantes brutos são todos os que rejeitam a indiferença,
lapidados pela experiência de se manterem eretos quando o mundo parece ordenar
que se curvem. Esses valorosos indivíduos, os que resistem à selvageria, forjam
o terreno por onde a esperança orgulhosamente caminha. Já os corrompidos, como
loucos em um hospício, na famosa sequência ao som da Polonaise de Chopin, dançam
inebriados na celebração da hipocrisia, o nascimento de um novo regime que irá
explorar novos peões. O herói redimido morre de pé, tendo a consciência de que,
ainda que por um único e intenso dia, ele viveu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *