“O Chaplin Que Ninguém Viu”, de David Gill e Kevin Brownlow

    0

     

    O Chaplin Que Ninguém Viu (Unknown Chaplin – 1983)

    O dedicado
    garimpo dos historiadores David Gill e Kevin Brownlow fornece imagens dos
    bastidores, entrevistas com testemunhas oculares dos projetos, registros de
    convidados ilustres nas filmagens e tomadas alternativas de cenas clássicas. Ao
    percebermos quantas possibilidades cômicas ele conseguia extrair de uma simples
    situação, constatamos a genialidade de alguém que verdadeiramente se importava
    com essa ferramenta, alguém que lutava para transcender todas as limitações,
    criando no momento e seguindo o instinto, sem roteiro, testando variações como
    um pianista perfeccionista e apaixonado.

    O segmento inicial, “Os Anos Mais Felizes”, foca no período
    dele no estúdio Mutual, primeira vez em que ele alçou voos maiores em curtas com
    total controle criativo. A quantidade absurda de negativos utilizada, por vezes
    em sequências que acabavam não sendo usadas, demonstra a empolgação do jovem em
    marcar seu nome na indústria. Vale ressaltar também sua esperteza em elaborar
    truques visuais aparentemente simples, mas engenhosos, pra potencializar o
    impacto cômico das cenas. O segundo segmento, “O Grande Diretor”, apresenta a
    natureza mais conflituosa e temperamental do artista, alguém capaz de refazer
    um filme inteiro apenas pra trocar a atriz principal. O foco nos longas “O
    Garoto”, “Em Busca do Ouro” e “Luzes da Cidade”, representa a maturidade
    profissional de Chaplin. Já o terceiro segmento, “Tesouro Escondido”, joga luz
    em sequências descartadas de seus filmes, incluindo testes e brincadeiras que
    seriam aprimoradas em suas produções futuras. É uma valiosa colcha de retalhos
    em que temos a chance de ver um artista mais descontraído, o sorriso sincero de
    satisfação que é dado alguns segundos depois do corte de uma cena e a
    preocupação, mais sincera ainda, que atravessa em seu rosto na preparação
    inicial, em suma, a mágica desenvoltura na relação entre criador e criatura aos
    olhos da câmera.

    O material exibido nesse excelente documentário em três partes é essencial, não somente para os fãs de Carlitos, que irão entender como funcionava a mente criativa do mestre, como também para todos aqueles que possuem um mínimo interesse sobre os alicerces da história do cinema.

     

    O CHAPLIN QUE NINGUEM VIU1 - "O Chaplin Que Ninguém Viu", de David Gill e Kevin Brownlow

     

    * O documentário está sendo lançado em DVD pela distribuidora “Obras-Primas do Cinema”, em edição de luxo com um belo pôster e dois cards.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here