Chumbo Quente – “A Um Passo da Morte”, de André De Toth

    0

    A Um Passo da Morte (The Indian Fighter – 1955)

    O primeiro filme da produtora criada por Kirk Douglas,
    Bryna, nomeada em homenagem à mãe dele, um projeto muito pessoal que fala
    diretamente aos valores do ator, que optou realizar todas as suas cenas de ação
    sem a utilização de dublês, com o rigor cênico da direção do competente húngaro
    André De Toth se destacando em cenas espetaculares como a do ataque ao forte. O
    roteiro refinado, com toques de humor e sem gordura extra, de Frank Davis e Ben
    Hecht, adaptando a história original de Robert L. Richards, que utilizou
    pseudônimo por fazer parte da lista negra do macartismo, utiliza a trama
    simples como meio para estabelecer importante humanização da figura do índio
    norte-americano, elemento essencial na caracterização do protagonista, um homem
    desprovido de qualquer preconceito, antítese de praticamente todos os heróis
    dos faroestes de John Ford, que é apaixonado pela índia Onahti, vivida por Elsa
    Martinelli, bela italiana que protagoniza sequências bastante sensuais.

    Johnny Hawks é o guia de uma caravana de pioneiros que viaja
    para as belas paisagens do Oregon, realçadas inteligentemente na fotografia de
    Wilfred M. Cline pelo Cinemascope e emolduradas pela trilha sonora de Franz
    Waxman, um homem justo e íntegro que é escolhido para a tarefa por sua relação
    de amizade com os Sioux, especialmente com seu chefe, vivido por Eduard Franz,
    um povo que se orgulhava de um histórico violento de contra-ataque. O problema
    começa quando os personagens vividos por Walter Matthau e Lon Chaney Jr., dois
    contrabandistas de bebida que ambicionam o ouro da região, aproveitando a
    ausência de Johnny, derramam o sangue de um índio. A ausência que motivou o
    ódio foi causada pelo amor, metáfora para os riscos de ser guiado apenas pelo
    emocional. O texto é muito eficiente ao evidenciar o drama da espoliação de
    suas terras e a exploração dos homens brancos em troca de álcool, uma atitude extremamente
    corajosa para a indústria da época, que refletia a visão racista de sua
    sociedade, quinze anos antes de “Pequeno Grande Homem”, de Arthur Penn.

    O discurso de Hawks, alguém avesso à utilização gratuita da
    violência, para o rancoroso chefe índio no desfecho é poderoso em sua síntese,
    evocando a necessidade da paz entre os povos para que a próxima geração, a dos
    filhos resultantes da miscigenação, os frutos da integração, conquistem a real
    liberdade e, mais que isso, que eles sejam capazes de mantê-la viva a despeito
    de todos os obstáculos, com a imagem final simbolizando a fragilidade dos seres
    humanos diante da natureza, o casal sorridente sendo levado pela força da
    corrente do rio. Por mais valentes que sejamos nas batalhas diárias, não
    podemos escapar de nossa natureza, nossos ideais, então devemos forjar um
    caráter sólido, valoroso.

    Um bom filme que ainda não ganhou o reconhecimento que
    merece, sendo usualmente citado apenas pela impecável atuação de Douglas,
    mérito justo, mas que não supera a mensagem humanista que a trama defende,
    trabalhada com precisão pelo roteiro.

    kirk douglas poster 225x300 - Chumbo Quente - "A Um Passo da Morte", de André De Toth




    * Texto escrito para o livro da Mostra “O Último Durão – Centenário Kirk Douglas”, organizada por Mario Abbade, realizada na Cinemateca do MAM (RJ), de 25 de Novembro a 11 de Dezembro.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here