“De Volta ao Jogo” de Chad Stahelski e David Leitch

    0

    De Volta ao Jogo (John Wick – 2014)

    É comum afirmar que os gêneros fantásticos, ficção
    científica e terror, são desprezados por aqueles tontos pseudointelectuais que
    só conseguem enxergar beleza nos dramas umbilicais e obscuros. Mas eu creio que
    os filmes de ação sofrem ainda mais, ignorados por essa parcela do público e subestimados
    pela crítica especializada. Se a obra não traz nada de novo, ela é apedrejada.
    Se inova, ela é apedrejada. “De Volta ao Jogo”, com seu orçamento mediano,
    conseguiu entregar algumas das sequências mais espetaculares, mérito dos
    diretores Chad Stahelski e David Leitch, estreantes na função, porém, com
    tremenda experiência na indústria como coordenadores de dublês. Chad trabalha
    como dublê de Keanu Reeves desde “Caçadores de Emoção”, companheirismo que
    resultou na compreensão exata de como utilizar da maneira mais visualmente
    impactante os recursos do ator, que nunca foi conhecido por sua versatilidade.

    Ele vive John Wick, o assassino profissional tido como o
    melhor por seus colegas, que abandona o serviço motivado pelo amor que sente
    por sua esposa. Uma doença interrompe a relação, ele está presente no hospital
    quando a frágil mulher expira, nada pode reverter aquela situação, o
    profissional temido por todos se sente pela primeira vez impotente. Ela, consciente
    que seu amado não saberia lidar com aquela dor, havia organizado a entrega póstuma
    de um presente incomum, uma cadelinha filhote. Se o Ford Mustang na garagem,
    precioso emocionalmente para ele, representava os perigos da sua área de
    atividade, o animal era a garantia de que a humanidade dele estaria em
    constante vigilância, o último desejo de Helen, a aposentadoria definitiva. Um
    grupo liderado pelo filho de um mafioso invade sua casa à noite, rouba o carro
    e mata a cadelinha, tomando violentamente de Wick todos os elementos que o
    mantinham na coleira social, o reforço do leitmotiv animalesco subjugando um
    coletivo criminoso organizado que se julga civilizado.

    A trama de vingança é saborosamente simples, as várias cenas
    de ação surpreendem pela crua objetividade estética, não há intenção de
    disfarçar com montagem frenética e movimentos de câmera epiléticos a pouca
    competência técnica, todos os envolvidos são especialistas talentosos, experimentando
    diversas possibilidades, do tiroteio comum em pequena e larga escala, passando
    por perseguições de carros e combate corpo a corpo. As coreografias são
    pensadas com o intuito do choque visual, afinal, trata-se do atrito entre
    mercenários selvagens que operam além da margem de seus próprios superiores. Os
    movimentos precisam ser rápidos, certeiros e brutais. O roteiro de Derek Kolstad
    estabelece inteligentemente a complexidade do universo em que o protagonista
    está inserido, sem especificar com diálogos expositivos a origem dos
    relacionamentos, estimulando no espectador a sensação de que está bisbilhotando
    perigosamente uma realidade que sequer imaginava que existia. A presença de nomes
    renomados como Willem Dafoe, Ian McShane e Michael Nyqvist, ajuda a reforçar os
    alicerces dessa construção.

    “De Volta ao Jogo” é um dos melhores filmes de ação da década.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here