“A Mulher Faz o Homem”, de Frank Capra


A Mulher Faz o Homem (Mr. Smith Goes to Washington – 1939)
Inocente homem do interior (James Stewart) é convidado a se
tornar senador dos Estados Unidos e aos poucos se descobre em um mar de lama
que ameaça tudo o que ele acreditava em relação à bondade e ao caráter dos
comandantes de seu país.
 

A mão de Frank Capra pode pesar no piegas em certos
momentos, mas poucos filmes souberam retratar tão bem o esforço de um elemento
individual íntegro em um covil de serpentes. O roteiro nos apresenta um símbolo das reais qualidades
que deveriam ser comuns aos homens que ingressam na política, mas deixando
clara a razão que impede que essas qualidades sejam valorizadas: o ser humano é
ambicioso. Apenas as crianças, seres ainda não tocados pelo instinto predatório
dos adultos, conseguem enxergar os méritos na aparente causa perdida do
protagonista. 
James Stewart me fez acreditar em Jefferson Smith. No famoso e
emocionante discurso final do personagem no julgamento, exaurido física e
mentalmente após horas falando ininterruptamente, apenas seu caráter o mantinha
de pé. Nunca me esqueço da breve tomada que mostra o tímido sorriso de
encorajamento do juiz, mesmo sabendo das poucas chances do rapaz. O juiz sabe
que todos deveriam ter aquela coragem, mas, muito mais que isto, ele enxerga
naquele alquebrado homem o motivo principal que o fez adentrar outrora em sua
profissão.
* O filme está sendo lançado em DVD pela distribuidora “Classicline”, com opção de dublagem em português.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *