“Mãe!”, de Darren Aronofsky

    0

    Mãe! (Mother! – 2017)

    (O texto aborda detalhes da trama, então recomendo que seja
    lido após a sessão)

    Como sempre afirmo, a expectativa deve ser sempre evitada,
    especialmente pelos profissionais da crítica. O indivíduo que paga ingresso e
    busca ser mimado pela arte, pode sair revoltado de uma sessão e falar mal do
    filme para todo mundo. Aquele que exercita a lucidez, mesmo não tendo
    compreendido a proposta da obra, reconhece os méritos técnicos e busca
    aprender. Acompanhando a repercussão nas redes sociais e sites especializados,
    percebo que parcela considerável dos detratores sequer captou a metáfora mais
    óbvia na trama, apenas uma das várias interpretações possíveis. Eu sinceramente
    torço para que o diretor, ateu declarado, esteja conscientemente construindo
    uma trilogia temática com viés crítico sobre religião, ele já exercitava isto
    desde seu primeiro longa-metragem: “Pi”, mas foi com “Noé”, seu trabalho
    anterior, que ele abraçou sem reservas o desafio. Ele agora segue explorando a necessidade
    humana de se apoiar em crenças sobrenaturais, trazendo o criacionismo para o
    terreno da realidade identificável, utilizando códigos do terror na estrutura
    do roteiro, objetivando evidenciar o absurdo inerente ao conceito.

    Deus/Criador (Javier Bardem) e a Mãe/Natureza (Jennifer
    Lawrence) vivem no Paraíso, uma casa isolada e cercada de árvores, um terreno
    que visivelmente nunca foi pisado, a fotografia de Matthew Libatique banha o
    cenário com a antinatural luz da pureza, a perfeição, enquanto opta pela
    claustrofobia nas filmagens internas, planos fechados apontando a solidão que
    ambos sentiam. Para a surpresa dos dois, Adão (Ed Harris) aparece na porta com
    um ferimento na costela, acompanhado de Eva (Michelle Pfeiffer). Ele, frágil e
    passivo. Ela, coerente à sua imagem como causadora de todos os males no livro
    sagrado católico, desrespeitosa, cínica, excessivamente sexualizada, provocadora
    cruel. O casal invade a casa e, sem qualquer consideração com a dona, corrompe
    cada ambiente, danificando a propriedade. Pouco tempo depois, sem aviso, seus
    dois filhos, Caim e Abel (Domhnall Gleeson e Brian Gleeson) invadem também,
    culminando em um assassinato brutal.

    O símbolo do criador sendo representado como poeta escritor
    é muito eficiente, criação artística e divina, há uma camada de interpretação
    menos alegórica que permite identificar a trama como um tratado sobre as
    dificuldades do processo criativo e o desejo narcisístico de ser reconhecido
    pelo trabalho. O bebê que é entregue à massa de adoradores, o livro que
    finalmente vai ser lido por outrem, o esforço do autor e o abandono do material
    que agora será adotado por cada leitor. Mas o viés religioso é muito mais
    instigante. O bebê Jesus, os seus ensinamentos, desvirtuados por vários
    interesses baixos, o pastor que fala em nome do criador e faz fortuna vendendo
    sua imagem. O mesmo povo que mata o bebê por negligência, no torpor da adoração
    excessiva, divide ele em pedaços e ingere sua carne em ritual, a celebração da
    falsa aparência, enquanto praticam o oposto do que ele pregou, destruindo a
    casa em sua ruidosa passagem, literalmente estuprando a mãe Terra. A personagem
    vivida por Kristen Wiig, a editora/apóstola, está pronta para utilizar os
    escritos do autor e lucrar em seu nome, uma organização que busca apenas
    conquistar o poder e manter-se relevante, injetando culpa, medo e penitência
    como elementos de controle social e político. E, num gesto de incrível coragem,
    Aronofsky mostra ela no terceiro ato sendo a fria líder armada em uma chacina,
    as guerras santas, o dedo que aperta o gatilho, ou se omite quando é
    conveniente.

    Uma obra questionadora, que desafia o público e estabelece
    tensão na medida certa para satisfazer até mesmo aqueles interessados apenas no
    elemento do entretenimento. Ao ousar novamente em um produto mainstream, o
    diretor prova que ainda há vida inteligente na indústria.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here