Rebobinando o VHS – “Gymkata – O Jogo da Morte”

    0

    Ideia estapafúrdia semelhante, apenas em “Born to Fight”,
    filme tailandês de 2004, vale salientar, muito mais divertido que esta bomba
    que hoje resgato no texto. O diretor Robert Clouse, responsável por “Operação
    Dragão”, pouco antes de entregar o melhor momento de Cynthia Rothrock, a pérola
    “China O’Brien”, desafia os limites do bom senso em “Gymkata”.

    16.GYMKATA OJOGODAMORTE28VC38DDEOARTE29 - Rebobinando o VHS - "Gymkata - O Jogo da Morte"

    Gymkata – O Jogo da Morte (Gymkata – 1985)

    A missão suicida: enfrentar ninjas exóticos, escapar de
    flechas mortais e defender o mundo ocidental em um torneio similar às provas
    das clássicas Olimpíadas do Faustão, chamado “O Jogo”, em um vilarejo no
    fictício reino do Parmistão. O herói da fita: um campeão de ginástica olímpica,
    Kurt Thomas, que nunca mais atuou, passa por um treinamento intensivo de artes
    marciais que consiste em subir uma escada plantando bananeira, habilidade que o
    permite se tornar um agente secreto norte-americano. Por sorte, ele encontra
    muitas barras fixas nas ruelas, além de um incrível cavalo com alças disfarçado
    no meio da praça da cidade, elemento imprescindível na cena de ação mais
    hilária do roteiro. O nobre objetivo: utilizar o prêmio, a realização de um
    desejo do vencedor pelo rei, para instalar um sistema de satélites de defesa no
    país. Nada faz sentido, a diversão é garantida.

    Vale destacar a presença do
    lutador Richard Norton, presença marcante em várias pérolas C da época, vivendo
    o guerreiro do rei, apaixonado pela princesa, a gatinha filipina Tetchie
    Agbayani. Quando ela demonstra estar mais interessada no Diego Hypólito
    karateca, ele se revolta e passa a objetivar assassinar o rapaz o mais rápido
    possível. Mas quando o filme parece estar fadado à obviedade narrativa, o terceiro
    ato surpreende com toques de terror, o herói precisa atravessar uma vila
    fantasma dominada por seres bizarros, como um homem com um segundo rosto na
    nuca, cena que me apavorava na infância. Claro, tudo orquestrado como humor involuntário, “Gymkata” não esconde se
    tratar de uma despretensiosa paródia do gênero.

    O filme era exibido com frequência na Bandeirantes durante a década de noventa, mas a capa do VHS é inesquecível, ainda que poucos tivessem coragem de pagar para ver.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here