Vou confessar algo para quem acompanha meu trabalho, eu
estou desanimado com o que vejo nas redes sociais, algo que atrapalha
sobremaneira a inspiração. Como sempre afirmei em textos, a raça humana é
propensa ao apedrejamento, o instinto baixo que conduzia os romanos antigos nos
circos de gladiadores segue vivo hoje, ainda que adormecido na maioria, como
que ansiando pelo gatilho para despertar.

A discussão não é lúcida, o que importa é berrar extremos.
Analisando o caso do jornalista William Waack, ou as recentes polêmicas sexuais
envolvendo atores de Hollywood, eu sinceramente não consigo enxergar maturidade
ideológica/comportamental no debate virtual, apenas o desejo primitivo de
destruição, a curiosidade mórbida dos abutres que apreciam admirar por horas o
corpo sangrando no asfalto, ou compartilhar vídeos repulsivos na internet, em
suma, parecem objetivar não apenas a justiça, como também o suicídio de seus
alvos. Os envolvidos no caso nacional e nos estrangeiros são excelentes
profissionais, carreiras brilhantes e respeitadas, mas acima de tudo, eles são
humanos e falhos como todos.

É justo condenar seus atos, você tem o direito de rejeitar
qualquer menção futura ao nome deles, mas não é correto querer apagar suas
contribuições em suas áreas de atuação, assassinar sem piedade suas reputações
profissionais. Se o seu pai já fez alguma piada racista em casa ao longo de sua
vida, tenho absoluta certeza que você não deixou de amá-lo por isto. E se
aproxime do espelho. Você é perfeito? Você, que hipocritamente prega
diariamente nas redes sociais o amor cristão, compreendeu de fato as palavras
de Jesus na passagem do apedrejamento de Maria Madalena?

RECOMENDAMOS



Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui