Armadilha Amorosa (The Tender Trap – 1955)

Charlie Reader (Frank Sinatra), agente de Manhattan, vive cercado de belas e esperançosas jovens. Um dia durante uma sessão de testes, ele conhece Julie Gillis (Debbie Reynolds), aspirante a atriz e doida para arranjar um marido. Logo estão saindo juntos, mas ela diz que só se casará com ele depois que ele se livrar das outras garotas. 

Lançado no mesmo ano que “O Homem do Braço de Ouro”, superestimado dramalhão em que Sinatra vive um viciado em heroína, o singelo e agradável “Armadilha Amorosa” usualmente é eclipsado, eu considero um dos melhores momentos do cantor no cinema. Ele provou que conseguia segurar papeis dramaticamente desafiadores, como no espetacular “Meu Ofício é Matar”, e não faria feio anos depois como diretor em “Os Bravos Morrem Lutando”, mas é nas produções leves, nos musicais e comédias românticas, que ele se mostrava mais confortável.

Dirigido pelo competente Charles Walters, dos excelentes “Desfile de Páscoa”, “Ciúme, Sinal de Amor”, “Lili”, “Casa, Comida e Carinho” e “Alta Sociedade”, com roteiro adaptado da peça de Max Shulman e Robert Paul Smith, o filme ganha pontos com o carisma encantador de Debbie Reynolds e Celeste Holm. Mas a estrela mesmo é a bela canção-título: “(Love is) The Tender Trap”, composta por Jimmy Van Heusen e Sammy Cahn, que dá o tom teatral da trama já nos créditos iniciais e, especialmente, no desfecho.

É o tipo de escapismo que a sociedade norte-americana precisava naquele período, o personagem de Sinatra, um mulherengo bon vivant, representa a força que se recusa a se moldar aos padrões. O roteiro então eleva o nível no terceiro ato, ao desconstruir a persona do solteirão inconsequente. Vale destacar que este era o papel favorito do cantor.

  • Você encontra o filme em DVD e, claro, garimpando na internet.

RECOMENDAMOS



Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui