“Jogador Número 1”, o retorno do brilho no olhar de Spielberg

0

Jogador Número 1 (Ready Player One – 2018)

O livro original escrito por Ernest Cline, que também assina o roteiro, junto com Zak Penn, é puramente divertido, conectado com os anseios da juventude geek, mas possui muitos problemas, entretenimento leve que é esquecido pouco tempo depois de finalizada a última página.

A história ambientada em 2045 se passa parte em Columbus, Ohio, e parte no mundo virtual do jogo OASIS. O jovem Wade (Tye Sheridan), órfão e sonhador, dedica sua vida a procurar o easter egg criado pelo idealizador deste mundo virtual, James (Mark Rylance em atuação exagerada), que irá conceder o controle do jogo, além de uma considerável fortuna. Ele vislumbra na realidade fantástica a satisfação imediatista que o cotidiano nunca seria capaz de entregar. A crítica é atual, a sociedade vive mentiras confortáveis em busca de um prazer ilusório, o povo opta conscientemente pelo constante estado de
anestesia geral.

O primeiro desafio do diretor Steven Spielberg em “Jogador número 1” (Ready player 1) foi se reencontrar com seu senso criativo despretensioso, após vários projetos narrativamente densos e, na maior parte das vezes, frios. A experiência recente com a animação “O bom gigante amigo” foi frustrante e a última aventura de Indiana Jones, lançada dez anos atrás, mostrou que a mágica se perdeu.

O segundo desafio foi evitar que a trama intensamente dependente da nostalgia de quem viveu a cultura pop das décadas de oitenta e noventa se tornasse enfadonha para o público geral. Se você não identifica as várias referências presentes nas cenas, ou constata que estas não justificam o seu investimento emocional, o único elemento que resta é o inegável espetáculo técnico, o show de luzes que não falha em entreter.

O longa apresenta obstáculos. Alguns clichês desgastados, como a rasa e quase sempre desnecessária subtrama romântica que apenas prejudica o ritmo, os diálogos absurdamente expositivos, além do fraco desenvolvimento dos arcos dos personagens, reduzem o escopo do filme à simples passatempo, facilmente substituível por qualquer produção de super-heróis, robôs e monstros que a indústria despeja semanalmente nas salas.

Apesar destes problemas, vale destacar que é surpreendente perceber que o mestre Spielberg retomou com extrema competência a energia de seus primeiros projetos, aquele brilho no olhar do garoto que tomou o mundo de assalto com “Tubarão”.

Cotação: ggggjjjk - "Jogador Número 1", o retorno do brilho no olhar de Spielberg

* Crítica publicada no Caderno B do “Jornal do Brasil” (29/03/18).

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here