“Crimes no Paraíso 2”, de Robert Harmon

0

Crimes no Paraíso 2 (Jesse Stone: Death in Paradise – 2006)
O projeto anterior, “Night Passage”, que ainda receberá texto, havia sido um prequel adaptando o livro de estreia do personagem, escrito por Robert B. Parker, então escolho esta excelente terceira aventura, co-roteirizada pelo próprio Tom Selleck, como a melhor maneira de reencontrar o angustiado policial, logo após os acontecimentos retratados em “Stone Cold“.

Adaptando-se ao seu papel como o novo chefe de polícia da cidade de Paradise, Massachusetts, Stone (Selleck) investiga o brutal assassinato de uma adolescente problemática encontrada morta boiando em um lago da cidade. Ele logo descobre que a garota era uma estudante exemplar e que, de alguma maneira, acabou no caminho da autodestruição, o que eventualmente levou à morte prematura.

Na subtrama mais interessante, uma dona de casa espancada regularmente pelo marido bêbado busca ajuda policial. O fato de Stone estar lutando contra o alcoolismo agrega camadas em sua compreensão do caso, potencializando o conflito com seus demônios internos. A oficial Molly (Viola Davis) questiona o óbvio, a razão que a impede de se separar do agressor. A resposta é repulsiva: “Sou católica, não posso me divorciar”. Ela se submeteu à humilhação dentro de seu lar, ganhou peso, perdeu sua autoestima e, o pior, acredita que é culpada por seu fardo. A crítica aos dogmas estúpidos da religião organizada é algo que dificilmente o gênero defende, quase sempre escravo das rasas motivações por vingança.

Outra demonstração de coragem pode ser encontrada na trama principal dos pais da adolescente morta, uma crítica contundente à necessidade tola de se adequar aos moldes da sociedade. O pai, incomodado com as atitudes da menina, preocupado com o que os outros diriam dele, decidiu expulsar ela de casa. A direção de arte evidencia na sala do casal a artificialidade, pinturas genéricas e objetos que não combinam com nada, mas que são muito valiosos, além de um senso de limpeza/organização exagerado, típico de quem se preocupa mais em arrumar sua casa para impressionar outrem, ao invés de buscar o conforto no dia a dia. Ao ser questionado por Stone, o pai afirma sem titubear: “Eu mantenho altos padrões nesta casa”. Os verdadeiros vilões da história, adultos irresponsáveis e sem qualquer vocação para paternidade e maternidade.

Excelente telefilme que somente melhora em revisões, o roteiro de “Crimes no Paraíso 2” é melhor que o de muitos projetos de alto orçamento que são despejados nas salas de cinema todas as semanas.

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here