“Desencanto”, de David Lean, um dos romances mais lindos do cinema

0

Desencanto (Brief Encounter – 1945)

Não é exagero inserir esta obra-prima do diretor David Lean em uma lista dos filmes mais românticos de todos os tempos. Adaptado da peça de Noël Coward, o tema foi absurdamente corajoso para o conservadorismo dominante da época, abordando o caso de amor proibido que desabrocha entre uma dona de casa (Celia Johnson) e um médico (Trevor Howard), ambos casados, em sucessivos encontros furtivos em um café na estação de trem. A infidelidade conjugal, questão espinhosa, nunca foi tratada com tanta sensibilidade e honestidade.

Ao reconhecer que o coração encontra maneiras de suprir suas necessidades, músculo incapaz de ser domado, o roteiro desarma o espectador de seus preconceitos e retira o manto de ilegalidade que, por si só, já evidencia o caráter antinatural do ato de tentar controlar o complexo sentimento com um contrato. O cenário dos encontros é pleno em simbolismo, reforçando a satisfação imediatista de cada olhar trocado. Algo que se inicia sem pretensão alguma, pura amizade, acaba evoluindo suavemente para o abraço de dois náufragos. O casal reconhece que é impossível sonhar com mais do que aqueles preciosos momentos, mas a experiência basta, a intimidade conquistada a partir do real interesse pelo outro, não a cumplicidade artificial acumulada em anos de convivência com um estranho.

A angústia na voz da mulher, cuja narração nos conduz na trama em uma confissão silenciosa, revela implicitamente que, apesar de estar em uma situação financeira confortável, o padrão familiar desejado por todos, ela se sentiu em algum momento na necessidade de se adequar existencialmente na vida a um aquário menor, o brilho em seu olhar, quando percebida pelo médico, reflete a esperança que se recusa a morrer em seu interior. O seu marido (Cyril Raymond) é gentil, divertido, nobre, não deixa faltar nada, mas os diálogos deixam transparecer sutilmente o desinteresse, travestido de cordialidade excessiva. Ele a agrada para manter o relacionamento vivo na sociedade. E, como o filme mostra, o amor não é despertado somente pela ausência/carência, pode surgir naturalmente, sem estar sendo procurado, sem motivo aparente, como precioso diamante lapidado na rocha.

A emoção profunda do rápido toque de um dedo secretamente acariciando a mão do outro, a incerteza encapsulada em cada despedida, David Lean pode ter entrado para a história do cinema por seus épicos, como “Lawrence da Arábia”, “A Ponte do Rio Kwai” ou “Dr. Jivago”, mas ele ganhou meu coração na adolescência com esta pérola minimalista inesquecível.

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here