Falta tempero na receita de “Os Incríveis 2”, de Brad Bird

0

Os Incríveis 2 (Incredibles 2 – 2018)

Quando Helena Pêra é chamada para voltar a lutar contra o crime como a super-heroína Mulher-Elástica, cabe ao seu marido, Roberto, a tarefa de cuidar das crianças, especialmente o bebê Zezé. O que ele não esperava era que o caçula da família também tivesse superpoderes, que surgem sem qualquer controle.

A nova animação da Pixar entrega frases como estas: “Políticos não entendem as pessoas que fazem o bem apenas por ser a coisa certa a fazer”, “As pessoas não veem o que aconteceu, apenas aquilo que os políticos dizem que aconteceu”, ou “É isso aí, culpe o sistema”, a resposta debochada de um policial para o bandido que acaba de prender. O público-alvo pode não compreender, mas há uma clara conotação de crítica sociopolítica na trama. Vale destacar que esta intenção se esvai antes mesmo de se firmar, o foco é mantido nas peripécias visuais, opção que me fez questionar a razão de inserir estes pontos sem o devido interesse em desenvolvê-los minimamente para o público adulto. Fica a clara impressão de que algo se perdeu no processo de produção, hipótese mais esperançosa. A subtrama que envolve o casal de irmãos (Bob Odenkirk e Catherine Keener) que recruta a Mulher-Elástica (Holly Hunter) para uma campanha de ressocialização e legalização dos super-heróis é complexa demais para crianças e entediante demais para adultos, várias “regras” narrativas são apresentadas e, logo depois, descartadas, não há interesse em explorar satisfatoriamente as motivações do casal.

A questão da representação da mulher na indústria poderia ser trabalhada com mais inteligência e senso de humor. A inversão de protagonismo, do “Sr. Incrível” (Craig T. Nelson) para a “Mulher-Elástica”, caminho óbvio no zeitgeist atual, não corre qualquer risco que torne o recurso especialmente relevante, provavelmente você já deve ter visto várias comédias que utilizam as mesmas gags, mostrando os apuros de um pai desajeitado que se vê obrigado a tomar conta sozinho de um bebê. Sem pensar muito, consigo lembrar de cenas similares em “Olha Quem Está Falando” e na refilmagem norte-americana de “Três Solteirões e Um Bebê”. Quando pensamos que a obra é vendida como uma continuação necessária na mente de seu criador, Brad Bird, não dá para disfarçar a frustração ao final da sessão. O roteiro peca ao executar a mesma fórmula desgastada do subgênero de super-heróis, uma aventura pouco inspirada em que até uma criança na sala escura antecipa rapidamente a tradicional reviravolta envolvendo o real antagonista.

Sem um momento verdadeiramente emocionante, ou alguma cena que se mantenha na mente após a sessão, ficamos reféns da ação frenética. Sem revelar muito sobre a trama, a utilização dos poderes do bebê Zezé (Eli Fucile) é o ponto alto cômico. O roteirista/diretor esperou 14 anos para entregar uma história genérica, previsível e, acima de tudo, que representa evolução ínfima no desenvolvimento dos personagens. É mais fácil acreditar que o estúdio apenas aproveitou a nostalgia dos fãs e a lucrativa demanda por filmes com mulheres “empoderadas”.

O resultado é divertido, os méritos técnicos da Pixar são inegáveis, mas falta tempero na receita.

Cotação: 3 stars - Falta tempero na receita de "Os Incríveis 2", de Brad Bird

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here