“O Lago de Drácula”, de Michio Yamamoto

0

O Lago de Drácula (Noroi no Yakata: Chi o Suu Me – 1971)

Um médico investiga os assassinatos de várias mulheres em um resort à beira do lago. Sua investigação o leva a acreditar que um vampiro é responsável pelos assassinatos.

Eu li sobre esta “Bloodthirsty Trilogy” pela primeira vez em alguma revista de cinema na década de 90, fiquei muito curioso, mas era impossível encontrar em VHS, mesmo em cópias piratas, fiquei esperançoso quando houve o boom da internet e o meu garimpo virtual se intensificou, mas não encontrava sequer o link de um dos três, cheguei a acreditar que jamais veria estes filmes, já que não havia qualquer possibilidade deles serem lançados oficialmente em nosso mercado de DVD. Alguns anos atrás, com o crescimento de sites especializados em disponibilizar fitas obscuras, finalmente pude matar a vontade e apreciar estas pérolas da Toho Studios, dirigidas por Michio Yamamoto. A pergunta que você deve estar se fazendo: Valeu a pena a espera?

Vale ressaltar que não há conexão entre as tramas. O primeiro, “The Vampire Doll (Yûrei yashiki no kyôfu: Chi wo sû ningyô, 1970)”, sendo muito generoso, não sobreviveu bem ao teste do tempo. O terceiro, “Evil of Dracula (Chi o suu bara, 1974)”, vale como curiosidade, com boa dose de erotismo. O único que verdadeiramente se mostrou relativamente divertido foi o segundo, “Lake of Dracula”, que aposta em uma trama mais simples e direta, bebendo da fonte original do livro de Bram Stoker (com direito à uma versão do tradicional Renfield) e, principalmente, dos filmes de vampiro do estúdio Hammer, que estavam conquistando o mundo na época. Hoje em dia é comum ver a indústria norte-americana produzindo adaptações de J-Horror, mas no início da década de 70 ocorria o inverso. Da onírica sequência inicial, ao melodramático desfecho, você sente a pegada do terror europeu (mérito também do competente diretor de fotografia Rokurô Nishigaki, de “Os Sete Rebeldes”, que não participou dos outros dois na trilogia), a elegância nos cenários e o ritmo contemplativo, mas não há uma identidade japonesa neste produto de exportação. É, acima de tudo, genérico.

O vampiro sem nome vivido por Shin Kishida funciona mais visualmente, com sua maquiagem e grunhidos animalescos, do que narrativamente, já que o roteiro praticamente abandona o personagem, um coadjuvante inglório em sua própria história.

Cotação: 2 stars - "O Lago de Drácula", de Michio Yamamoto

  • A editora “Darkside Books” está lançando a obra original de Bram Stoker em duas versões. FIRST EDITION, com a icônica capa amarela da primeira publicação, em 1897, uma edição inédita no mercado brasileiro que eterniza o brilho e o encanto do sol, algo inalcançável diante de toda a dor da eternidade; e a DARK EDITION, dedicada aos leitores trevosos de coração sombrio. Por dentro elas carregam o mesmo conteúdo sangrento; por fora demonstram a vida e a beleza de um clássico imortal. E, dentre os vários extras, apresenta também o conto “O Hóspede de Drácula”, que fazia parte do texto de Stoker, mas foi retirado da primeira publicação. 

dracula first edition 18 07 17 img03 - "O Lago de Drácula", de Michio Yamamoto

 

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here