Rebobinando o VHS – “Quackser Fortune Has a Cousin in the Bronx”

0

museu1peq1 - Rebobinando o VHS - "Quackser Fortune Has a Cousin in the Bronx"

Volte no tempo comigo, estamos no início da década de 80, o conceito de se apreciar cinema se reduzia à sessão na sala escura e aquela possibilidade remota do filme passar nos poucos canais de televisão. Os mais devotados conseguiam revistas importadas que transformavam a obra em uma espécie de fotonovela, uma maneira primitiva de “rever”, matar a saudade. A chegada do VHS e a popularização dos aparelhos foi um turning point de valor inestimável. Você não precisava mais perguntar aos seus avós sobre a história dos filmes antigos, bastava uma ida à locadora de vídeo.

O que poucos lembram é que, apesar de todo falatório hoje sobre o consumo cultural ilegal na internet, que vejo como algo positivo, já que possibilita acesso a praticamente todos os filmes, nós, amantes brasileiros desta arte, temos que agradecer muito à pirataria. Há um bom documentário recente nacional que aborda este tema, “Cinemagia – A História das Videolocadoras de São Paulo”, de Alan Oliveira. Sem as fitas piratas, as locadoras jamais engatariam no mercado. E, mais importante, vários títulos que apareciam nas prateleiras nunca foram relançados em versões seladas (oficiais), nem mesmo em DVD, como este  filme abaixo, que conheci na pré-adolescência.

MV5BZTY3OWRkZGUtZDVjNy00ZmE0LWIzZjUtY2ZiODBkMjdlZTg0XkEyXkFqcGdeQXVyMjUyNDk2ODc@. V1 - Rebobinando o VHS - "Quackser Fortune Has a Cousin in the Bronx"

Quackser Fortune Has a Cousin in the Bronx (1970)

Esta pérola cômica foi pensada para ser dirigida por Jean Renoir, acabou nas mãos de Waris Hussein, teve o roteiro de Gabriel Walsh indicado para o prêmio do sindicato dos roteiristas, mas hoje é esquecida até mesmo pelos fãs do saudoso Gene Wilder, que vive Quackser Fortune, um irlandês de meia-idade dominado pela mãe que ganha a vida de maneira exótica, coletando e vendendo estrume. Ele passa seus dias seguindo cavalos nas ruas de Dublin com seu carrinho. A vida dele muda quando é quase atropelado por uma estudante norte-americana, vivida pela adorável Margot Kidder.

A entrega do ator é perfeita, aquele misto de vulnerabilidade emocional e histeria, especialidade dele, garante momentos hilários, como quando ele, na mesa do café da manhã, quebra o ovo dentro da bolsa da mãe, depois finge que está matando uma mosca, ou, mais tarde, quando seduz desajeitadamente uma vizinha, enquanto satisfaz o pedido dela, de colocar um pouco de estrume na terra das plantas de sua janela. O arco narrativo do personagem é encantador, ele está acomodado em sua situação, a função que decidiu exercer na sociedade é uma alegoria perfeita para sua apatia e intensa dependência. Quackser descobre que precisa se apaixonar, ele precisa se permitir, para que se inspire a se aventurar fora de sua zona de conforto.

Graças à internet (a obra é facilmente encontrada), pude rever depois de muitos anos esta joia injustamente esquecida na carreira de Wilder.

Cotação: 3 stars - Rebobinando o VHS - "Quackser Fortune Has a Cousin in the Bronx"

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here