“Trilogia do Inferno”, de Lucio Fulci

0

AN Horror Expo 2019 - "Trilogia do Inferno", de Lucio Fulci

A distribuidora Versátil, casa do terror em home video no Brasil, vai marcar presença na feira dedicada ao gênero, “Horror Expo 19” (18 a 20 de outubro em São Paulo). Clique aqui para saber mais informações e adquirir seu ingresso.

***

Paura nella città dei morti viventi lacrime - "Trilogia do Inferno", de Lucio Fulci

Pavor na Cidade dos Zumbis (Paura nella città dei morti viventi – 1980)

Cidade de Dunwich. Uma força maligna é libertada após o suicídio de um padre, que se enforcou no cemitério da igreja.

A fotografia de Sergio Salvati está espetacular neste primeiro filme, potencializando a incrivelmente eficiente atmosfera de pesadelo em cenas como a do padre (Fabrizio Jovine) enforcado, captando bem os contornos paranormais do roteiro, que insere nas convenções do subgênero dos zumbis elementos como sessões espíritas e um livro demoníaco. A trilha sonora de Fabio Frizzi ajuda a tornar memoráveis várias das sequências gore (a cabeça atravessada por uma broca é inesquecível), talvez as mais violentas e criativas da trilogia.

e tu vivrai nel terrore laldila 1981 lucio fulci 02 - "Trilogia do Inferno", de Lucio Fulci

Terror nas Trevas (E tu vivrai nel terrore! L’aldilà – 1981)

Mulher herda um antigo hotel e, enquanto reforma o prédio, abre sem desejar uma das sete portas para o inferno, permitindo assim que os mortos voltem para Terra.

A melhor maneira de enxergar esta obra, inspirada em “A Mansão do Inferno”, de Dario Argento, além de “A Sentinela dos Malditos”, de Michael Winner, realizada com baixo orçamento e filmada em cinco semanas, é como um perturbador pesadelo. Um dos MELHORES filmes de terror de todos os tempos.

A trama é simples: um hotel é construído sobre um dos sete portões do inferno, algo que a nova proprietária, vivida pela inglesa Catriona MacColl, acaba descobrindo ao entender que um velho bruxo havia sido assassinado décadas antes, crucificado em uma das paredes do local. O roteiro é uma desculpa para o diretor exercitar sua macabra criatividade, elaborando cenas sangrentas surrealistas, como o ataque de aranhas em uma biblioteca, o rosto de uma mulher sendo derretido lentamente pelo ácido, ou o devastador terceiro ato passado teoricamente no hospital, com o herói portando um revólver de munição infinita.

A realidade que poucos críticos percebem é que o casal jamais deixou o hotel. Os últimos vinte minutos são a forma encontrada por Fulci para retratar o além (l’aldilá). O casal tenta fugir adentrando um elevador, apenas para descobrirmos que eles acabaram voltando para o mesmo ambiente, a sala de autópsia. O que pode ser tido como um erro de continuidade,
eu prefiro entender como mais uma maneira de confundir o público, deixando claro que naquele pesadelo, tempo e espaço são conceitos indomáveis. O homem percebe que seu revólver ficou sem munição, porém, exatamente como num sonho, ele segue atirando.

Os personagens descobriram mais do que deviam, sendo penalizados com a descida ao inferno, culminando com a exposição da cegueira. Eles já estavam nas trevas durante todo o terceiro ato, fazendo-nos entender o tipo de existência maldita que Emily, presa na escuridão desde o incidente no passado, e a jovem ruiva enfrentavam. Os terrores vividos por eles, profetizados no livro de Eibon, dão vazão à obsessão do diretor com os olhos, um gore impactante, mérito do mestre Giannetto De Rossi, e que nos remete a Luis Buñuel e seu “Um Cão Andaluz”. O final melancólico, abrupto, difícil de esquecer, estabelece o terror do casal como uma realidade que está apenas começando.

Priorizando a atmosfera, lição que os cineastas modernos do gênero falham em entender, Fulci desorienta constantemente o espectador, utilizando a carnificina, focando na desintegração da carne, como uma maneira metafórica e espiritualista de filosofar sobre a fragilidade do corpo. O deserto que descobrimos ao final, um horizonte sem fim de desesperança, uma visão depressiva do além.

Quella villa accanto al cimitero film - "Trilogia do Inferno", de Lucio Fulci

A Casa do Cemitério (Quella Villa Accanto al Cimitero – 1981)

Norman Boyle muda-se com a família para uma velha mansão ao lado de um cemitério. E violentas mortes começam a acontecer.

Neste último filme da trilogia, Fulci subverte algumas ideias já estabelecidas. Ao contrário dos filmes anteriores, desta vez não há um livro mágico, nem mesmo há um portal.

O roteiro, o mais problemático da trilogia, dá espaço para fantásticas cenas de morte, aquele gore competente e criativo usual nos trabalhos do diretor, mérito de Giannetto De Rossi, mas a estrutura dessa vez remete mais aos filmes de fantasmas, deixando para o excelente terceiro ato a resolução do mistério que envolve os estranhos barulhos escutados no sótão da nova casa da família Boyle. Vale destacar a ótima trilha sonora de Walter Rizzati.

É curioso perceber que a citação que encerra a trama, informada como sendo do escritor Henry James, do clássico “A Volta do Parafuso”, na realidade, foi criação do próprio diretor.

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here