Rebobinando o VHS – “O Jardim dos Esquecidos” (1987)

0

museu1peq 768x1011 - Rebobinando o VHS - "O Jardim dos Esquecidos" (1987)

vhs o jardim dos esquecidos louise fletcher kristy swanson D NQ NP 747066 MLB27003154540 032018 F - Rebobinando o VHS - "O Jardim dos Esquecidos" (1987)

O Jardim dos Esquecidos (Flowers in The Attic – 1987)

Mulher volta para casa dos pais depois de ficar viúva. Eles não sabem que ela têm quatro filhos, por isso ela esconde as crianças num porão.

A adaptação do livro mais famoso da autora V. C. Andrews está longe de ser memorável, mas é muito eficiente no que se propõe a entregar, esbanjando o charme oitentista típico daqueles telefilmes de suspense que passavam na sessão noturna “Supercine”, nos sábados da Globo. O meu primeiro contato com ele foi em VHS, mas costumava ser exibido no SBT durante a década de 90 com o título “Flores no Sótão”, tradução exata do original, com ótima dublagem capitaneada pela grande Maria Helena Pader, no papel da mãe, vivida por Victoria Tennant.

O roteirista/diretor Jeffrey Bloom reconhece a breguice folhetinesca do material, flagrante em falas como “eu lhes darei alimento e abrigo, mas nunca bondade ou amor”, logo, aproveita cada pequena oportunidade para enfatizar a vilania dos atos da avó fanática religiosa, vivida pela sempre competente Louise Fletcher.

Os enquadramentos nas cenas internas enfatizam a grandiosidade dos ambientes da mansão, com a trilha sonora sombria de Christopher Young (que comandou no mesmo ano a trilha de “Hellraiser”) insinuando que há algo de sobrenatural operando naquele local. Vale ressaltar a presença sempre agradável da bela Kristy Swanson, musa das comédias adolescentes oitentistas, vivendo Cathy, a filha mais velha.

Há um mistério que obviamente não irei revelar (a contracapa do VHS praticamente conta a história toda), uma conclusão que agrega valor à obra, já que se mostra muito mais complexa e humana do que qualquer ameaça facilmente encontrada em filmes de terror. Apesar do corte final ter sofrido na tentativa de amenizar alguns aspectos mais controversos na trama, Bloom corajosamente manteve cenas que, para bom entendedor, cumprem sua função.

O filme nunca foi lançado em DVD por aqui, mas você, cinéfilo dedicado e apreciador do bom garimpo na internet, não terá dificuldade em encontrar esta pérola.

Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here