Rebobinando o VHS – “Parada 88 – O Limite de Alerta” (1977), pioneiro SCI-FI brasileiro

0

museu1peq 768x1011 - Rebobinando o VHS - "Parada 88 - O Limite de Alerta" (1977), pioneiro SCI-FI brasileiro

parada 88 o limite de alerta joel barcellos jose de anchie D NQ NP 985875 MLB26946247420 032018 F - Rebobinando o VHS - "Parada 88 - O Limite de Alerta" (1977), pioneiro SCI-FI brasileiro

Parada 88 – O Limite de Alerta (1977)

Alguns anos antes de Roberto Pires lançar “Abrigo Nuclear”, o roteirista/diretor pernambucano José de Anchieta lançou este pioneiro sci-fi brasileiro, pré-cyberpunk, pré-Blade Runner, com atmosférica trilha sonora de Egberto Gismonti, fotografia soturna de Francisco Botelho, e interpretações inspiradas de Cleyde Yáconis (como a pregadora hippie) e da grande Yara Amaral.

Regina Duarte produz e também atua, vivendo a adolescente Ana, cega após a explosão de uma fábrica que contaminou a região com gás letal. O futuro da trama é dezembro de 1999, os moradores da cidade Parada 88 pagam pelo ar puro e vivem em túneis de plásticos transparentes, aquele que ousa fugir do local, acaba se tornando um ciborgue, tendo seus pulmões substituídos por aparelhos mecânicos.

O tom de crítica é evidente já na primeira cena envolvendo os funcionários do departamento de controle de gases. O líder, ao discursar sobre Parada 88, acaba se referindo à tragédia como: “a explosão, ou melhor, o acidente.” Logo mais, ele novamente aperta o dedo na ferida, citando irritado a “poluição burocrática” como sendo a explicação para a omissão do sistema no tocante às pessoas diretamente afetadas pelo evento. Vale destacar que o caso Chernobyl só ocorreria quase dez anos depois. A sequência é altamente expositiva, a narração didaticamente explica para o espectador o atual modo de vida dos habitantes, recurso preguiçoso, mas compreensível, devido ao ineditismo de nossa indústria à época no tema.

O filme, que também conta com um criativo design de produção de Alcino Izzo Jr., venceu o prêmio de Melhor Cenografia pela Associação Paulista de Críticos de Arte, mas, por ser representante de um gênero e não induzir o público ao sono coletivo nas sessões, foi apagado das páginas da História cinematográfica brasileira pelos inseguros e mimados do Cinema Novo, absurdo que precisa ser desfeito.

  • O filme não foi lançado em DVD, mas pode ser encontrado com facilidade por todo cinéfilo dedicado garimpando pela internet.

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here