Crítica de “O Diabo de Cada Dia”, de Antonio Campos, na NETFLIX

0

O Diabo de Cada Dia (The Devil All The Time – 2020)

Em um lugar tomado por corrupção e violência, um jovem enfrenta figuras sinistras para proteger quem mais ama.

O roteirista/diretor Antonio Campos, dos bons “Depois da Escola” (2008) e “Christine” (2016), adapta livremente o livro homônimo de Donald Ray Pollock, entregando uma trama que aborda traumas de guerra e as camadas da psicopatia, os transtornos mentais que se tornam terreno fértil para o plantio de sementes de fanatismo religioso, mas infelizmente peca no previsível e superficial terceiro ato e em algumas opções narrativas, principalmente a narração onipresente, elemento sempre problemático em cinema, reforçando inutilmente o que já estamos vendo.

A rapidez com que cada subtrama entrelaçada é trabalhada prejudica o impacto sensorial, também banalizado pelo excesso de violência, a necessária conexão emocional com os personagens interessa menos que a estilização cafona, com a repetição desnecessária de sua mensagem (bastante óbvia) enfraquecendo ainda mais o resultado. Os esforços instintivos do elenco, com destaque para Bill Skarsgård (brilhante como o pai escravo de uma fé deturpada), Tom Holland e Robert Pattinson, são boicotados pela atitude blasé da direção de Campos, aquela frieza típica de projetos indie autoindulgentes, abusando de enquadramentos grandiosos e diálogos prolixos e (quase sempre) vazios.

“O Diabo de Cada Dia” se beneficiaria com uma edição mais objetiva, a longa duração frequentemente quebra o ritmo e acentua os problemas, menos é sempre mais.

Cotação: STAR 2.5 - Crítica de "O Diabo de Cada Dia", de Antonio Campos, na NETFLIX

Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here