Crítica de “Um Príncipe em Nova York 2”, de Craig Brewer, na AMAZON

0

Um Príncipe em Nova York 2 (Coming 2 America – 2021)

O príncipe Akeem (Eddie Murphy) retorna aos EUA após descobrir que tem um filho na América, seu herdeiro no trono.

O primeiro trailer enganou bem, passava a impressão de que o roteiro, seguindo a verve cômica do filme original, não se ajoelharia diante do asqueroso politicamente correto, até faria graça dele, mas infelizmente a realidade é que a indústria norte-americana segue cavando sua própria cova, buscando cumprir a torpe agenda ideológica daqueles que enxergam arte apenas como muleta política na guerra cultural. Talvez quando o cinema hollywoodiano se tornar algo completamente irrelevante e comercialmente inexpressivo, os artistas e executivos entendam tarde demais que “apostaram no cavalo errado”.

O resultado incomoda os fãs da pérola de 1988, dirigida por John Landis, principalmente por cogitar que a garotada esperta da época (adultos hoje) aceitaria a dose excessiva de lacração. A série “Cobra Kai” faz sucesso exatamente por respeitar a inteligência e a nostalgia daqueles que cresceram com a trilogia “Karatê Kid”, elemento simples que é destruído logo nos primeiros minutos de “Um Príncipe em Nova York 2”. Os rostos conhecidos estão lá, mas a alma se perdeu. Imagine o Rambo, durante uma perseguição na selva vietnamita, virar para a câmera e dizer com voz chorosa: “Você me perdoa por ser homem?” O figurino está certo, o cenário também, mas algo fundamental foi extraído a fórceps para permitir situações e atitudes altamente improváveis.

A química entre Eddie Murphy e Arsenio Hall, amigos na vida real, algo tão forte no original, simplesmente não funciona. O texto não ajuda, as piadas soam forçadas, há exagero (em todos os sentidos) nos vários interlúdios musicais, o carinho pelos personagens ajuda nas primeiras cenas, mas não sustenta o interesse durante o segundo ato. A direção de Craig Brewer, que foi tão sensível no ótimo “Meu Nome é Dolemite”, está irreconhecível, mão pesada, sem charme, sem timing cômico. A utilização de computação gráfica nas cenas que remetem diretamente ao original é competente, mas a imersão do público é prejudicada pelo contraste gritante no estilo (equívoco grosseiro), o cérebro simplesmente não aceita como real (necessária suspensão de descrença).

O esforço é válido, mas é triste constatar que foi uma tremenda chance desperdiçada, ninguém esperava algo melhor, tarefa difícil, os fãs pediam apenas que a essência fosse respeitada. Reveja o clássico oitentista e perceba como ele segue eficiente, encantador e corajoso.

Cotação: 2 stars - Crítica de "Um Príncipe em Nova York 2", de Craig Brewer, na AMAZON

RECOMENDAMOS



Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here