Chuva Negra (Black Rain – 1989)

Os policiais Nick Conklin (Michael Douglas) e Charlie Vincent (Andy Garcia) vão até o Japão levar um criminoso, Sato (Yusaku Matsuda), que prenderam em território americano, mas chegando lá o deixam escapar e, para recapturá-lo, acabam metidos numa confusão com a Yakuza, a máfia japonesa, recebendo apoio do detetive local, Masahiro (Ken Takakura).

A trilha sonora de Hans Zimmer é o complemento perfeito para a atmosfera criada na fotografia de Howard Atherton e Jan de Bont, um conto sobre honra visualmente marcante utilizando as convenções do gênero policial, favorecido pelo carisma do trio Michael Douglas, Andy Garcia e Ken Takakura. E, claro, contar com a participação esporádica de Kate Capshaw no auge da beleza também ajuda bastante.

Blog Chuva negra6 - "Chuva Negra", de Ridley Scott, na NET NOW

Nick é ousado, afoito e já se envolveu em situações ilícitas no seu trabalho, apesar de se mostrar perturbado por ter se permitido corromper, ele mantém a pose, psicologicamente sentindo a necessidade de se provar valoroso a todo momento (a simbologia mais clara é a sequência inicial em que ele disputa um pega de motocicletas), fragilidade que o inimigo capta e utiliza contra ele de forma brutal, agregando ainda mais culpa em sua pesada consciência.

O leitmotiv da trama, o elemento que eleva a qualidade da obra dentre suas similares do mesmo período, não se trata de uma anabolizada caçada por vingança, o roteiro de Craig Bolotin e Warren Lewis enxerga a ação como uma jornada interna de ressignificação de conduta do protagonista, uma batalha para restaurar a honra ferida, refletindo o macrocosmo cultural exposto no título (a chuva ácida representando a aceitação forçada de valores estrangeiros pelo povo japonês), infelizmente pouco compreendido à época.

Nick foi levado pelo sistema a cometer atos contrários à sua índole, ele aprende com Masahiro a importância fundamental da honra, gatilho de humilhação que desperta nele a essência adormecida de sua função na sociedade. A leveza jovial de Charlie (Andy Garcia, num toque de gênio, propôs a inclusão da divertida cena no karaokê, que não existia no roteiro, adicionando mais camadas de necessária humanização nos personagens) também serviu como aprendizado, ainda que percebido posteriormente, já que o jovem não fazia esforço algum para ser notado, ele não precisava se autoafirmar.

O cenário sombrio, sujo, espécie de pesadelo neo-noir, é a representação alegórica deste conflito intensamente humano. “Chuva Negra” é usualmente tido como um passo em falso do diretor Ridley Scott, mas se mostrou forte em revisão para este texto.

RECOMENDAMOS



Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui