Águia de Aço 3 – Ases do Céu (Aces: Iron Eagle III – 1992)

O capitão Chappy Sinclair (Louis Gossett Jr.) se envolve num caso internacional quando a irmã de um piloto falecido recentemente lhe pede ajuda. Eles partem atrás do criminoso Gustav Kleiss (Paul Freeman).

A franquia “Águia de Aço”, prima genérica de “Top Gun”, é pouco lembrada hoje em dia, mas dominava as sessões televisivas brasileiras da década de 90. Os roteiros eram fracos, mas as sequências de ação aérea empolgavam a garotada.

O projeto foi idealizado pelo diretor canadense Sidney J. Furie, mas é válido ressaltar que o único filme realmente bom da série foi aquele que ele não dirigiu, o terceiro, comandado pelo competente inglês John Glen, responsável pelas aventuras mais frenéticas de 007 na década de 80, “Somente Para Seus Olhos”, “Octopussy” e “Marcado Para Morrer”, além de ter dirigido magistralmente a histórica cena da perseguição de trenós de “À Serviço Secreto de sua Majestade”, um mestre na difícil arte de manter o público de queixo caído. Ele, inteligentemente, redireciona o foco para os combates coreografados na terra firme, estabelecendo situações mais intensas do que os conflitos entre aeronaves nos anteriores.

A presença da bela Rachel McLish, campeã de fisiculturismo, dá o tom logo no início, realizando uma acrobacia com tremenda força física para se safar das correntes que a aprisionavam, abraçando generosamente o estilo que dominava o gênero no período, elemento que ajudou a fazer com que a obra sobrevivesse ao árduo teste do tempo. Hoje, com o sistema (por interesse próprio na facilitação do controle social) celebrando a desmasculinização, filmes que trabalhem o valor da coragem são muito bem-vindos.

No anterior, o roteiro abusava da suspensão de descrença do público, propondo uma união amistosa entre norte-americanos e soviéticos durante a Guerra Fria, equívoco sanado neste, que aposta na guerra contra as drogas, com aviadores veteranos (com destaque para o japonês, vivido pelo grande Sonny Chiba) enfrentando um vilão que mantém em seu escritório fotos de Hitler. É bobo, claro, mas inegavelmente divertido, faz a criança interna vibrar a cada investida dos heróis.

Hoje em dia, o protagonista atravessaria metade do filme sofrendo uma crise de consciência, antes de tomar uma decisão, quem sabe, pediria choroso perdão para a sociedade por ser homem, mas o valente capitão Chappy não, ele não pensa duas vezes antes de pular dentro de um avião de combate da Segunda Guerra Mundial e, sorrindo, mandar os terroristas para o inferno. Bons tempos…

  • O filme não está nas plataformas de streaming, mas você encontra garimpando na internet. 

RECOMENDAMOS



Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui