“Minha Mãe é Uma Peça”, de André Pellenz, com PAULO GUSTAVO

0

Minha Mãe é Uma Peça (2013)

Dona Hermínia (Paulo Gustavo) é uma mulher de meia idade, divorciada do marido (Herson Capri), que a trocou por uma mais jovem (Ingrid Guimarães). Hiperativa, ela não larga o pé de seus filhos Marcelina (Mariana Xavier) e Juliano (Rodrigo Pandolfo), que já estão bem grandinhos. Um dia, após descobrir que eles a consideram uma chata, resolve sair de casa sem avisar ninguém, deixando todos, de alguma forma, preocupados com o que teria acontecido. Mal sabem eles que a mãe foi visitar a querida tia Zélia (Suely Franco) para desabafar suas tristezas do presente e recordar os bons tempos do passado.

A contribuição de Paulo Gustavo para a comédia brasileira no cinema é valiosa, apesar de, infelizmente, ter sido interrompida precocemente. Triste pensar que ele ainda tinha muito a oferecer como artista. O seu humor intensamente popular encanta pela honestidade na entrega, principalmente na trilogia “Minha Mãe é Uma Peça”, adaptação do monólogo teatral homônimo, em que homenageia sua mãe, Déa Lúcia.

Na época de sua estreia, como já é de se esperar, meus colegas críticos apedrejaram a obra, talvez porque sua trama não se curva ao terrível politicamente correto (muito pelo contrário, debocha sobremaneira do cabresto) e reforça o valor da família, pauta abominada pelos ditos “progressistas”, ou porque simplesmente detestam qualquer filme brasileiro que seja abraçado calorosamente pelo público, afinal, sucesso é um crime neste país para quem depende da narrativa vitimista.

Eu escrevi naquele momento uma análise breve, ressaltando alguns problemas na estética e na execução, principalmente no terceiro ato, mas elogiei o carisma do protagonista e o coração pulsante da história. Revendo hoje, para este texto, entristecido pela interrupção precoce de sua carreira, enxerguei ainda mais beleza na mensagem que o filme transmite.

Paulo é um comediante que remete à tradição do cinema brasileiro, um personagem, um tipo caricato em tintas fortes, como Zé Trindade, Ankito, Oscarito, que, mesmo quando o produto tecnicamente não alcança seu pleno potencial, consegue manter o espectador atento do início ao fim com sua presença.

Ao dar vida à Dona Hermínia, ele consegue equilibrar bem o exagero (representado até pelo figurino colorido) e a ternura necessária para estabelecer uma conexão com o público, fazendo com que a suspensão de descrença funcione, já que, ao contrário da norte-americana Divine, a sua graça não nasce do fato de ser um homem travestido de mulher, alguns minutos bastam para que você compre a ideia e se permita entrar de cabeça na jornada agitada daquela mãe.

Ela é a típica mãe dos anos 80, fruto da geração Woodstock, desbocada, superprotetora, intensa, impulsiva, logo, uma pedra no sapato dos filhos adolescentes. O toque inteligente da obra é não se debruçar apenas nas possibilidades de gags, ela dedica tempo generoso na exploração das motivações da personagem, estreitando a identificação emocional com o espectador, revelando com sutileza (ponto positivo), nas cartas que a filha descobre, o passado romântico com o ex-marido, as raízes de suas frustrações, tornando seu comportamento mais crível. A reviravolta desmancha a caricatura (por vezes, conscientemente irritante), humaniza, ressignifica suas atitudes anteriores, engrandecendo o todo.

Ao final da sessão, com os créditos apresentando a homenageada, a reflexão que propõe se mostra mais importante que as piadas, a proposta intimista se exibe claramente e emociona.

Força para a família e os amigos neste momento tão difícil. Que sua arte siga inspirando as próximas gerações. Que nunca nos esqueçamos…

RECOMENDAMOS



Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here