Perversa Paixão (Play Misty for Me – 1971)

O DJ Dave (Clint Eastwood) trabalha numa rádio e fica curioso para conhecer uma sensual ouvinte (Jessica Walter) que liga várias vezes pedindo a canção “Misty”. Os dois se conhecem, mas Dave decide não levar o caso adiante. Ela não se conforma e passa a persegui-lo.

O jovem Clint Eastwood sonhava em se tornar um diretor e, sendo um indivíduo íntegro e de personalidade firme, só conseguia enxergar este passo acontecendo na carreira com total liberdade criativa. Ele confidenciava suas ideias para o amigo Irving Leonard, cofundador da produtora Malpaso, levantada anos antes com o lucro obtido como ator na Trilogia dos Dólares, de Sergio Leone.

Leonard faleceu em 1969, a empresa já tinha conquistado bons frutos com pérolas como “A Marca da Forca”, “Meu Nome é Coogan” e “Os Abutres Têm Fome”, logo, Clint decidiu arriscar tudo (inclusive como ator, saindo de sua zona de conforto como homem de ação) e finalmente dirigir seu primeiro projeto, com o apoio daquele que sempre acreditou em seu talento, Don Siegel, “Perversa Paixão”, um thriller psicológico arrepiante, roteirizado por Jo Heims e Dean Riesner, com a fotografia sempre elegante de Bruce Surtees. Vale destacar também na trilha sonora a belíssima “The First Time Ever I Saw Your Face“, cantada por Roberta Flack, canção que se tornou um hit internacional (Elvis Presley lançaria sua versão no ano seguinte) graças ao sucesso do filme.

É impressionante como Clint demonstra tremenda segurança já nesta estreia, controle total na construção de suspense, sem gordura extra, sem firulas estéticas, estabelecendo o clima tenso sem necessidade de reviravoltas ou surpresas, recurso usual no gênero, ele consegue manter o público preso à trama apenas evidenciando que a perigosa ouvinte, vivida com brilhantismo por Jessica Walter, é capaz de tudo, potencializando a expectativa até mesmo nas sequências aparentemente inofensivas, insinuando que o mal opera nas sombras. Quando a história se encaminha para situações verdadeiramente apavorantes nos últimos 20 minutos, o investimento emocional conquistado é recompensado sensorialmente.

Outros projetos apostaram em premissas semelhantes nas décadas seguintes, como “Atração Fatal”, com Glenn Close, e “Louca Obsessão”, com Kathy Bates, mas esta pérola acabou sendo esquecida nas prateleiras empoeiradas do tempo, injustiça que pretendo desfazer com este texto.

  • O filme não está nas plataformas de streaming, mas você encontra com facilidade garimpando na internet.

RECOMENDAMOS



Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui