“Desejo de Matar”, de Michael Winner, na AMAZON PRIME

0

Desejo de Matar (Death Wish – 1974)

Criminosos invadem a casa do arquiteto Paul Kersey (Charles Bronson), eliminam brutalmente sua esposa e abusam de sua filha, deixando-a em coma. Kersey, então, decide fazer justiça com as próprias mãos não só contra os culpados, mas também outros malfeitores.

Eu lembro bem do que o pai de um amigo, na adolescência, comentou sobre este filme, algo que considerei bizarro à época, mas, hoje em dia, provou-se profético: “nós vamos viver para ver, os criminosos julgarão os honestos, o mal será vitimizado e o bem perseguido”. O papo se desenvolveu a partir do que já começava a ser discutido, a deslegitimização de qualquer filme com viés ideológico de direita e a excessiva celebração na indústria cultural da inversão de valores.

Obras como esta, que eram transmitidas com frequência nas emissoras de televisão na década de 80, começavam a ser jogadas para baixo do tapete, o sistema (por interesse próprio) instigava o desarmamento, e, mais que isto, a demonização do direito à legítima defesa, os brinquedos infantis que representavam símbolos de coragem, como “Comandos em Ação”, eram substituídos pelo enaltecimento da covardia, a potencialização da insegurança, em suma, preparava-se psicologicamente o terreno para o adestramento coletivo objetivando o controle ditatorial sem possibilidade de revide. Hoje podemos enxergar claramente as lastimáveis consequências deste planejamento de décadas.

AAAABVBTg6lcyFyKVO2268uwyPKGSHvFSbR8ihvatPVW1Uq0g6Slmxc2H5QTTS9phFMS5TCTvECe8IZmyYNuOSQmXc1CBaLR scaled - "Desejo de Matar", de Michael Winner, na AMAZON PRIME

Paul (Bronson) é um homem comum, arquiteto, contrário às armas de fogo, que é levado a aprender, de forma prática, como havia vivido uma mentira alimentada pela imprensa, pelo sistema como um todo. Ao constatar que a impunidade é um elemento fundamental na engrenagem, ele luta para destravar em sua psique o instinto primitivo da autopreservação, ele entende que não deve enxergar no Estado uma babá superprotetora, nem delegar à força policial a responsabilidade da suprema proteção, se assim fosse, não haveria necessidade de todo condomínio e estabelecimento comercial contar com extintores de incêndio, pois bastaria, ao primeiro sinal de fogo, telefonar para os bombeiros.

A direção de Michael Winner, inteligentemente captando a força alegórica do tema, injeta em diversos momentos, com sons diegéticos aparentemente irrelevantes, frases que enfatizam a mensagem principal. A imprensa, manipulando com discursos conformistas, apelando para o indivíduo nunca reagir, o genro bobão, incapaz de tomar qualquer atitude diante do ocorrido com a esposa, afirmando para Paul que não confrontar aquele que pratica um ato de violência é sinal de civilidade, fracos e tolos, peças indispensáveis na construção de qualquer sistema que oprima seu povo, mantendo-o na miséria controlada, enquanto seus líderes se refestelam na riqueza. Se duvida, estude pelas fontes independentes o que está ocorrendo hoje em Cuba.

A catarse poderosa que o filme entrega nas sequências em que Paul elimina a escória criminosa reflete no público o que o protagonista causa na sociedade em que habita, inspirando na massa a coragem necessária para viver, não apenas o ato de se manter respirando enquanto aguarda o inevitável fim, o brio precioso que conduziu o homem a se superar em cada estágio da evolução, a liberdade básica com seus direitos e deveres.

“Desejo de Matar” segue sensorialmente eficiente e, mais do que nunca, atual!

RECOMENDAMOS



Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here