A Última Carta de Amor (The Last Letter From Your Lover – 2021)

Depois de encontrar uma série de cartas de amor de 1965, uma repórter (Felicity Jones) decide resolver o mistério de um romance secreto – e, quem sabe, se apaixonar também?

A adaptação do livro homônimo da premiada britânica Jojo Moyes, por Esta Spalding e Nick Payne, experientes na dramaturgia televisiva, dirigida pela texana Augustine Frizzell e com fotografia de George Steel, acerta na atmosfera romântica elegante, sem qualquer viés ideológico insidioso na trama (algo cada vez mais raro), afinada no diapasão clássico dos melodramas europeus, leia-se, iluminação suave, longos silêncios e enquadramentos discretos, um estilo que, hoje em dia, não costuma ser adotado em projetos direcionados ao público jovem, atitude que deve ser aplaudida.

LLFYL 02507 1024x683 1 - Crítica de "A Última Carta de Amor", de Augustine Frizzell, na NETFLIX

O processo de reconstituição da década de 60 é tecnicamente competente, figurino, direção de arte e, principalmente, direção de elenco (evita o equívoco comum de soar falso, fora do tom do período, no comportamento em cena e na entrega dos diálogos), o trabalho de Shailene Woodley é impecável nos dois momentos de sua personagem, a vibrante jovem inconsequente e a dona de casa endinheirada que se recupera da amnésia, algo que facilita a suspensão de descrença e a imediata imersão emocional do espectador.

Já na história paralela contemporânea, protagonizada pela jornalista que não quer ligações afetivas, vivida por Felicity Jones, o texto perde consideravelmente a sua força, desenvolvido com pinceladas rápidas, as tentativas de humor são ligeiramente forçadas, talvez, por este motivo, este núcleo receba menos atenção, como se, de forma consciente ou não, o próprio filme não escondesse preferir se manter o maior tempo possível no passado.

A trama em alguns pontos remete à “Tarde Demais Para Esquecer” (com Cary Grant e Deborah Kerr) e “A Mulher do Tenente Francês” (com Meryl Steep e Jeremy Irons), em outros, “Diário de Uma Paixão” (com Ryan Gosling e Rachel McAdams) e “Nunca Te Vi, Sempre Te Amei” (com Anne Bancroft e Anthony Hopkins), as boas referências culturais são perceptíveis no material original, não é definitivamente o tipo de produto raso, bobinho, que usualmente é lançado no gênero, mas também não reinventa a roda, a proposta não é ser imprevisível, o resultado emociona bastante, creio, mais por aquilo que representa, por resgatar uma pureza bonita que se perdeu nas últimas décadas.

“A Última Carta de Amor” é uma obra perfeita para os sonhadores, aqueles que não aceitam os cínicos dias atuais, um romance à moda antiga que respeita a inteligência do público e que, um toque lindo, entrega uma declaração de amor à palavra escrita.

Cotação: Azhar movie Star Ratings 2 - Crítica de "A Última Carta de Amor", de Augustine Frizzell, na NETFLIX

RECOMENDAMOS



Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui