Crítica de “Na Mira do Perigo”, de Robert Lorenz, no TELECINE

0

Na Mira do Perigo (The Marksman – 2021)

Um fazendeiro, Jim (Liam Neeson), na fronteira do Arizona se torna o improvável defensor de um menino (Jacob Perez) mexicano que foge desesperadamente dos criminosos do cartel que o perseguiram até os EUA.

A campanha difamatória é tão forte nos veículos estrangeiros, que eu imaginei que seria uma bomba indefensável, como o tempo é curto, quase deixei de ver, ainda bem que não cometi este erro. Novamente, como já se tornou hábito, o sistema celebra exageradamente todo projeto que abraça inversão de valores e as pautas “progressistas”, enquanto joga para baixo do tapete aqueles roteiros que apostam narrativamente nos alicerces morais do “velho normal”.

QQVEFBU2R5ED3CTOAIH2MXXE2A - Crítica de "Na Mira do Perigo", de Robert Lorenz, no TELECINE

O roteirista/diretor Robert Lorenz é reconhecido na indústria por sua parceria de vários anos com Clint Eastwood como produtor e diretor de segunda unidade, logo, mais um motivo para que seu “Na Mira do Perigo” seja colocado na lista de “cancelamentos”, aliás, motivos não faltam, a trama ensina que o vitimismo é psicologicamente danoso, que roubar é injustificável, e, como cereja do bolo, insere uma sequência em que o protagonista, ex-fuzileiro naval, ensina uma criança a se defender com arma de fogo, deixando claro que o desarmamento só serve aos regimes ditatoriais. A experiência de ver um filme assim nos dias de hoje é, sem brincadeira, terapêutico, injeta esperança.

Vale destacar também uma cena que evidencia que cumprir regras ilógicas JAMAIS é uma opção válida, o fazendeiro deveria entregar o menino para as formalidades legais (orfanato), como a força policial exigia, mas ele sabia que, ao fazer isto, colocaria o pequeno em risco gravíssimo, já que o cartel não mediria esforços para terminar o serviço, logo, ele aproveita um momento de distração dos oficiais e foge com a criança. Na jornada, a trama transmite mensagens sobre o valor da hombridade, a beleza do altruísmo, a importância de não permitir que a alma de uma criança seja corrompida.

Um herói como este, para a nova geração mimada, infantilizada e insegura, costuma ser criticado como “macho tóxico”, afinal, qualquer adulto que não se esconda debaixo da cama na hora do perigo é visto como um opressor, a garotada adestrada criativamente pela indústria com a fórmula reducionista dos super-heróis, simplesmente não consegue entender heroísmo que não seja representado por barbados engraçadinhos vestidos com collant colorido.

Liam Neeson, que se firmou nas telas desde “Busca Implacável” como o símbolo do vigilantismo, entrega desta feita uma de suas interpretações mais sensíveis, exibindo sem receio a fragilidade da idade, a tristeza da solidão após o falecimento da mulher amada, em suma, ele age, fala e sente como um adulto maduro, talvez por este motivo, o seu personagem não diga nada ao coração do público moderno.

A direção é firme, competente, as cenas de ação empolgam, principalmente porque há preocupação em preparar previamente o terreno para o investimento emocional do espectador, você se importa com o destino da improvável dupla.

Não deixe este FILMAÇO passar despercebido, uma pérola de ação à moda antiga.

Cotação: Azhar movie Star Ratings 2 - Crítica de "Na Mira do Perigo", de Robert Lorenz, no TELECINE

RECOMENDAMOS



Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here