O Violino do Meu Pai (Babamin Kemani – 2022)

Unidos pela dor e pelo amor à música, uma menina (Gülizar Nisa Uray) órfã e seu tio (Engin Altan Düzyatan) violinista têm suas vidas transformadas.

O maior refinamento está na simplicidade, o excelente arroz com feijão é o mais difícil de preparar, pérolas como este “O Violino do Meu Pai”, roteirizado/dirigido pela turca Andaç Haznedaroglu, do competente “Você Já Viu Vagalumes?”, cativam o espectador logo nos primeiros minutos, agarram ele pelo coração e não largam mais. A utilização sensível de clássicos de Bach, Bizet, Vivaldi e Gardel, entre outros, apenas reforçam este caloroso abraço sensorial, que, nos tempos sombrios de hoje, pode ser considerado algo terapêutico.

AAAABX5D svF coZsDCQ jHFjR7nwsMh6Y8Xgqr9WIDxEqPOW hQAti2elmttRyrDXMycnYsyKm tjYH5x3WuQct9zffMeDl - Crítica de "O Violino do Meu Pai", de Andaç Haznedaroglu, na NETFLIX

É um conjunto de acertos, a escalação perfeita da adorável ruivinha Gülizar Nisa Uray, cheia de personalidade, a dignidade que exala da entrega segura de Engin Altan Düzyatan, elemento que potencializa a bonita transformação que ocorre em seu arco narrativo, o talento e a beleza embasbacantes de Belçim Bilgin, que o público brasileiro conhece do maravilhoso romance “Sadece Sen”, e, claro, a emocionante dor no olhar de Selim Erdogan, que vive o adoecido pai da menina, que, apesar do curto tempo em cena, consegue transmitir a doçura que será fundamental na recompensa emotiva do terceiro ato, que, vale ressaltar, ganha pontos por não pesar a mão no melodrama, opção que seria muito fácil, respeitando a inteligência do público.

Uma das mensagens mais fortes do roteiro, que pode ser compreendida até mesmo nas escolhas da trilha sonora, defende a necessidade da harmonia entre o erudito e o popular. O tio, por causa de suas feridas existenciais na infância, foi levado a valorizar sobremaneira a validação do outro, ele deseja ser respeitado como músico pela alta sociedade, impulso que o tornou arrogante, frio. O seu irmão, por outro lado, está acostumado a fugir da polícia todas as noites, vive da generosidade de estranhos que dedicam alguns minutos de atenção às melodias extraídas de seu violino nas frias ruas de Istambul. A jornada de aprendizado é cheia de reviravoltas, o tom claramente fabulesco auxilia na suspensão de descrença em certos momentos, o resultado revivifica a alma, até mesmo os mais cínicos vão se apaixonar pelo desfecho.

“O Violino do Meu Pai” é uma obra perfeita para ser assistida em família, plena em bons valores, um entretenimento de altíssimo nível.

Cotação: Azhar movie Star Ratings 2 - Crítica de "O Violino do Meu Pai", de Andaç Haznedaroglu, na NETFLIX

RECOMENDAMOS



Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui